♫ ♪ aquele braço ♪ ♫

Vamos pedir uma licencinha no post de opinião para fazer um post de história, porque hoje tem coisa

Lembram do braço que eu quebrei?

Braço machucado

cortei a barriga fora da foto só porque vocês pediram

Bom, como vocês podem ver, eu estou com ele machucado. Mas o episódio que eu vou contar pra vocês hoje serve pra provar que o osso está coladinho, pois senão não teria sobrevivido intacto.

A história é a seguinte:

Estava eu ontem numa feishta. Sim, feishta na quarta-feira mesmo, sempre tem alguém que não trabalha e acha que uma festa numa quarta-feira é algo plausível.

Eu feliz que estava, tinha dois copos, um em cada mão, ambos cheios das saqueirinhas de morango, dado que morango é pouco calórico, e saquê é pouco… alcoólico(?)

Alguém que estava na festa não conhecia saqueirinha, provou, não gostou, e foi assim eu conquistei o segundo copo simultâneo. Whatever, o que importa é que saqueirinha de morango demora pra subir, e por ser delicious, e a feishta ser open bar, lá fomos nós perder o controle e a dignidade.

Detalhe importante: festa em apartamento. No quinto andar. Com gente bêbada. Com janela aberta. Com eu bêbado.

Pois é.

E aí num dos momentos de dancinha e etc, eu perto da janela, me encostei na parte fechada do vidro e aí WHOOOOOHOOOOOOO! a parte fechada na verdade estava aberta e lá fui eu voar janela afora.

Para minha felicidade, eu caí em cima do toldo da entrada do prédio, que amorteceu a queda, e eu consegui escorregar dali para o chão suavemente, arranhando o braço na parede do prédio enquanto escorregava.

Fachada

o toldo fatídico

E não, a vida não passa na frente dos nossos olhos quando a gente cai do quinto andar e acha que vai morrer. Porque é claro, é tudo BRINKS!

Não é essa a história, esse toldo é em NYC, como vocês podem ter visto pela placa NO STANDING ANYTIME SETINHAS

A história é a seguinte:

Eu estava dirigindo em direção a COOOOLOMBOOOOO por motivos escusos que não contarei, visto que né… é Colombo. E aí eis que numa das alças que entram na rodovia EIS QUE SURGE um carro baleado:

Perseguição

assim

Ai que susto!

No susto quase capotei, porque como ele veio pra cima de mim, foi difícil de desviar, mas eu consegui escapar. E eu até buzinei, eu que praticamente nunca buzino.

Quando ele passou por mim e eu vi o carro todo baleado, pensei “PUTZ! Vem mais gente por aí!” E não deu outra, logo depois dele estava entrando pela rampa outro carro, com um maluco meio transparente, de metralhadora na janela e cabelos de medusa. E o tiroteio rolando. Reação automática: fugir dali. Peguei a primeira saída da rodovia em direção a Curitiba.

Claro que eu não fui o único a ter essa ideia. Mais gente veio fugindo da perseguição alheia, e um caminhão imenso me fechou, e eu acabei raspando o carro todo do lado, contra a mureta, me batendo por dentro do carro também. Daí os machucados no braço.

Foda, escapar de dois carros vindo a toda de fora pra dentro na rodovia, e acabar sendo esmagado por um caminhão.

Era pra ser mesmo, visto que né…

Era mentira.

BRINKS!

Ok, também não foi isso que aconteceu.

A história é a seguinte:

Fui a um protesto.

Protesto na Praça do Japão em Curitiba

galera lotando a praça do japão e a av República Argentina

Encontrei o protesto enquanto…

BRINKS!

Ok, essa certamente não foi essa história. Essa aconteceu de verdade e tudo, mas foi ano passado.

A história é a seguinte:

Eu entrei numa briga.

Com um macaco.

Porque ele me assaltou.

BRINKS!

Ok, parei.

O que aconteceu de verdade foi… eu estava saindo do trabalho ontem, e no meio do estacionamento, tropecei numa lajota mal encaixada e PAFT! Menine voador aterrisa no chão de lajotas do estacionamento e rala o braço.

E o joelho.

E ninguém viu 🙂

E hoje só duas pessoas repararam nos machudados, mas eu bem besta vim contar, porque como o post é de opinião, eu queria saber a opinião de vocês a respeito de outra coisa…

Eu sou um bom contador de histórias né?

Forrest Gump

– siiiiiiiiiim

Então torçam por mim, porque a editora prometeu que a partir de março vai ter um parecer se publica ou não o meu livro!

Quanta ansiedade!

E ah, falta UM MÍSERO LIKE na fanpage pro blogs chegar em 100. Quem será que vai ser o centésimo liker que ganhará uma IOGURTEIRA TOP THERM?

BRINKS!

Boa noite lua, boa noite stars, menines!

Correção – acabei de ver que já deu 100 likes. Perderam uma TOP THERM hein…

Anúncios

de onde vem as estantes?

Eu como todo bom consumidor de livros, games, CDs e (muuuuuitos) DVDs, tenho uma estante fofísisma que eu comprei quando me mudei para Curitiba, e ela é toda cheia dos ~design porque eu sou bichona decorador também (mentira, não sou, só acho que sou).

Estante antiga fofa

olha que gay linda a estante e a decoração e etc ❤

Mas chegou um ponto que a estante não comportava mais tudo, tinha livro jogado pela casa inteira, os games não cabiam lá e etc e tal. E eu precisei comprar uma estante nova. Nada mais ~decorador que comprar uma estante IGUAL, mas em outra cor, e fazer um mixing up das duas, né? Eu sou um gênio dos móveis, BEIJO MÃE!

Pra comprar uma estante IGUAL, o melhor caminho é ir na mesma loja online, a Lojas KD. Acha a estante, escolhe a cor, coloca no carrinho, blablabla, calcula frete, TRINTA PILA, CHESSUS? Não, tem que ter um método melhor, essa loja é de Curitiba, right? Vamos na fanpage do Facebook perguntar.

Confirmação Lojas KD

blablabla

Bom, então tá. Como não era só eu que ia comprar coisas, a @Lo_wski, uma das clientes mais fiéis do Banco Hilger, ligou lá e a resposta da galere foi:

WHAAAAAT?

WHAAAAAT?

“Não pode buscar aqui, moça, daonde ce tirou isso?”. E ela mandou o print pra eles, no fim, ok, aceitaram, cobraram duas vezes por acidente, e ok, tudo certo, prazo de entrega: 15 dias.

…..quize dias depois…..

YAAAAAAY! Móveis prontos! Vamos buscar! Olha o endereço e onde era mesmo?

Pinhais.

.

.

.

Pinhais.

.

Um minuto de silêncio por essa informação.

Pinhais não é Curitiba, gente, é tipo New Jersey… em New Jersey a galere diz que mora em New York City, e… bem… não é verdade… aqui é a mesma coisa… claro que Curitiba não se compara com New York City porque onde já se viu comparar uma cidade européia com os USA, né, não dá. Anyway, assim como eu adoro fazer piadas sobre Colombo, eu odeio passar pelas lombadas que tem em Pinhais. Tem duas avenidas que não tem lombadas. As outras ruas da cidade tem uma lombada a cada quadra. Eu rampei pelo menos uma, e quase entrei numa contramão porque em Pinhais não tem placas de trânsito.

(@maise_ani  e @taissakaram eu perdoo vocês por morarem em Pinhais, ok? rsss)

Finalmente depois de andar um pouco por lá, achamos o negócio de distribuição, e guess what? Só nós tínhamos ido lá buscar, provavelmente em meses, porque eles nem perguntaram nosso nome, só disseram “vieram buscar” entre si. E bem, lá vieram eles depois de um tempinho com as caixas e guess what?

Móveis no Migo

não cabia no migo 😦

E aí no enjambre que conseguimos fazer, bem, a @Lo_wski foi “de táxi” pra casa, no banco de trás do Migo, e eu praticamente fiquei sem enxergar nada no espelho direito. Mas todas as portas fecharam, etc, tudo resolvido 🙂

Agora a gente chega na parte macho do post. A parte da testosterona. A parte da montagem da ~estante fofa~, incluindo um detalhe: SEM PARAFUSADEIRA, foi na chave de fenda mesmo.

E como eu sou bichona decorador também, é claro que eu inventei de misturar as duas estantes, já que elas eram iguais, mas com cores diferentes. O resultado final ficou ótimo, mas calma que eu chego lá ainda. Pra misturar as estantes eu precisei desmontar partes da primeira, e obviamente, tirar tudo dela. E só de brinks, eu empilhei meus DVDs pra ver o tamanho que ficava…

Pilha de DVDs

e ficou quase da minha altura

Mas não ficou tudo organizado, foi uma lambança também, porque eu acabei aproveitando pra tirar lixo da mesa da sala, e da mesa do computador, organizando meus videogames, blablabla e a casa ficou cheia de tralhas.

Zona em casa

essa parte era a light da sujeirada toda

Mas no fim das contas, eu terminei de montar tudo, e ficou LIMDO ❤

Estantes novas

que estantes mais gays fofas ^^

Pronto 🙂

Agora eu tenho DUAS estantes praticamente cheias de coisas, e a minha casa finalmente ficou organizada 🙂

Mundo perfeito etc ou quase – é claro que a bichona não é acostumada a montar móveis e tá com calos agora na mão, de tanto bater apertar parafuso.

Mas é a vida, vamos ver o lado bom.

Boa noite lua boa noite stars!

são paulo

ATENÇÃO: este é provavelmente o post mais longo da história do blogs… só pra vocês saberem. Peguem um pacote de doritos ou outro snack, porque já vai ser amanhã quando vc terminar de ler (não sei resumir histórias direito, sorry)

Agora que estão todos avisados, vamos lá… essa longa história começa na quinta-feira, com uma ida a São Paulo por motivos de entrevista do visto americano. A dona Bia, esposa do @morimotoson, queria porque queria sair de Curitiba às seis e meia da manhã, e eu só pensei comigo “meu, que disperdício, vamos chegar lá meio-dia e meu agendamento no CASV* é só 16h45″… no fim ela foi convencida a sair 7h30 da manhã, o que ainda eu achei disperdício, mas tudo bem.

E enfim, 7h30 eles me buscaram em casa, e levaram a fofa da Letícia junto, e começou assim a nossa roooooooooooad triiiiiiiiip!

Eu pensei nessa música mas esqueci de baixar pra levar 😦

Anyway, quando faltavam sei lá, uns 130Km, começa a desgraça… chegando num pedágio, primeiro indício suspeito: filas no “Sem Parar”

Fila do Sem Parar

sem parar

Nós passamos do pedágio e andamos o espaço de um carro e paramos. Fuééééén, tudo parado. A moça do pedágio inclusive nos informou que a fila era por causa de um acidente que era marromeno dali a 20Km.

OBAAAAAA!

Quase duas horas de anda e pára depois, nós já estávamos praticamente desistindo, chegamos a mandar email para um colega do @morimotoson pra saber o que acontecia caso nós perdessemos o horário no CASV*, mas no fim ficamos sem internet na serra, por motivos óbvios.

Até que uma hora lá, a coisa andou, passamos pelo acidente e a coisa andou um pouco melhor, mas não muito, visto que subida de serra com um bilhão de caminhões se ultrapassando, além de perigoso, é demorado.

Quando estávamos chegando perto de SP, bem, vamos precisar de um GPS. Mais #fails: o iPad dele não funcionou, o iPhone dele tinha sido estragado na véspera por braço-curtisse dele mesmo, o GPS do carro sei lá pq não funcionava, no fim sobrou meu Waze e a Tim.

Bendita Tim, viu? Fez a gente calar a boca, o Waze colocou a gente lá dentro do coração de SP, no meio das filas, mas calculou o tempo que a gente ia chegar, e chegamos naquele mesmo tempo… ou quase isso… num dos desvios que ele fez, o tempo de chegada ia aumentando minuto a minuto, fazendo a gente ficar tenso a cada esquina.

De qualquer forma, chegamos QUATRO minutos antes do meu horário lá no CASV (*que significa Centro de Atendimento ao Solicitando de Visto)… pra pegar fiiiiiila, e quando chegar a vez, tirar uma foto, fazer biometria e só. AAAAAAARGHHHHHHHH porque não fazem um dia só? Que raiva, tanto transtorno, tanta incomodação pra chegar lá e ser atendido durante menos de um minuto.

Marina

depressão

Dali fomos pro hotel… mais trânsito, mais Waze, etc, check-in, blablabla, vamos no shopping que fica na frente pra jantar? Vamos! Desce do elevador… CHUÁÁÁÁÁÁ chuva.

Chuva em SP

terra da garoa

Fazer o que né… esperamos baixar um pouco e fomos lá, e foi um povo sem educação esbarrando sem pedir desculpa, que olha… curitibano não fala nada, mas ao menos não esbarra pra não ter que pedir desculpas.

Lógico que tirar visto não é só biometria e foto, tem entrevista no dia seguinte, pra fazer a gente gastar com hotel também. A entrevista é no consulado, que é em outro lugar (pra que dois dias E DOIS LUGARES? Pois é…)

Fomos à pé, e não pode levar celular nem eletrônicos, nem nada, só os documentos.

Fiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiila pra entrar no prédio (no CASV a gente achava que tinha fila, até chegar no consulado).

Fiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiila da segurança, pra passar no detector de metais.

Uma salinha de espera pra ser chamado pelo nome, e aí, finalmente, a dita cuja da entrevista…

A mocinha lá me perguntou tipo três coisas úteis só, pra onde vou nos US, com quem, e o que eu faço aqui… essa parte vale a transcrição:

– Eu sou analista de sistemas…

– …

– …

– O sistema travou.

Bem na frente do analista né hehehehe tivemos que rir, os dois.

NPH Joinha

que beleza

Solicitação aprovada, a entrevista durou tipo um minuto e meio também. Pois é. Ao menos ganhei elogio pelo inglês do meu formulário, a moça disse que era inglês avançado 🙂

Depois de todos aprovados, etc etc, hora de ir embora, etc… eu fiquei em SP por motivos de aniversário do cunhadjeenho, mas eles que voltaram levaram DOZE horas pra chegar em casa em Curitiba.

Agora eu pergunto: POR QUE? Custaria tanto assim eles terem um escritório pequeno em Curitiba pra gente não precisar ir até SP?

Pior road trip ever, e olhe que eu já viajei com a família numa Belina, e outra vez num Escort que eu tinha que ligar a ventoinha manualmente com dois fios quando tava esquentando o motor.

Mas ok, o visto está resolvido, já vou poder ir pra NYC 🙂

New York

promessas pro ano que vem (?)

(tomem um café agora, que chegamos ao fim da primeira ~história desse post, e a segunda é mais light)

Como eu fiquei em SP, o cunhadjeenho foi me buscar lá no Shopping Morumbi, que era na frente do hotel, e os planos eram dar uma voltinha pela Liberdade antes de buscar a Chuck no aeroporto de Campinas.

Vou dizer pra vcs que a Liberdade é um bairro bem interessante… muitas coisas inéditas pra ver num mercadinho, comprei uns biscoitos de alga marinha, uma coisa chamada Udon, que parece Cup Noodles, mas que eu não sei o gosto ainda porque eu não sei preparar (tóin!), e mais um moooooonte de coisa que eu nunca tinha visto na vida. Além disso, tinha um shoppingzinho cheio de coisas nerds, de coisas de animes, e com pessoas fazendo cosplay (e cospobre também) à luz do dia.

Até o sinaleiro para pedestres é diferente:

Semáforo de pedestres na Liberdade

essa foto não fui eu que tirei nem editei nem nada

Tinha até gente falando japonês na rua! Muito bom, adorei, em breve volto lá 🙂

Próxima aventura: ir até Campinas buscar a Chuck… mais fiiiilas, etc, mas chegamos vivos lá e tudo mais. Dali seguimos pra Indaiatuba, pro apartamento dele, e depois pra comer pizza até sair pela orelha, já que era aniversário do mocinho né 🙂

Engraçado foi que eu encontrei o lugar onde o vento faz a curva… é em Indaiatuba 🙂

Nuvens em curva

muito importante né zzzzzzzz

Mas claro que ficar lá não foram só flores. O apartamento dele é tipo uma república para os comandantes da Azul, que em geral são todos velhos e/ou gordos.

Que roncam.

Muito.

Demais.

Horrível!

Eu tive o grande azar de dormir num colchão no mesmo quarto que um dos outros comandantes, que chegou só de madrugada, e primeiro ligou a luz do quarto, e me acordou, e depois que eu dormi de novo, ele se deitou na cama dele só de cueca (VIX QUE HORROR) e começou com os sons de britadeira. Acordei 4h30 da manhã e até fui tomar uma fresca na sacada pra desbaratinar um pouco… no fim acabei dormindo de novo, e fui acordado antes das 6h pela Chuck, porque nós três viríamos pra Curitiba passar o resto do final de semana.

Todos prontos, etc, aeroporto de Campinas again, check-in, blablabla, e, como a gente era passageiro stand-by (ou seja, só embarca se tiver lugar vazio no voo), lá estávamos nós torcendo pelos no-show da galere.

E não deu certo, não conseguimos vaga no primeiro voo, nem no segundo, e aí, bem, o que fazer? Pegar as bagagens de volta e… opaaaaaa, a bagagem conseguiu embarcar pra Curitiba. Fuén fuén fuén fuén! Mandaram as malas de volta no voo seguinte, e elas chegaram em Campinas perto das 14h. Bem, fora isso, podíamos continuar esperando ou tentando pegar os próximos voos, mas todos estavam lotados, inclusive no domingo, e como eu tinha que estar aqui na segunda pra trabalhar, eu era obrigado a vir.

Solução: pegar um voo pra Joinville, e voltar de ônibus pra Curitiba (já que a segunda opção era voltar de ônibus de Campinas pra cá, e levar talvez as mesmas doze horas que o @morimotoson levou).

O voo era só no fim da tarde, então voltamos pra casa pra dormir. Chegando lá, mas que vergonha, só tinha A BRITADEIRA em casa dormindo, e quando finalmente todo mundo se instalou direito pra cochilar, lá estava eu no sofá da sala e a britadeira acorda e vem puxar assunto.

– Ah, desculpa, eu te acordei ontem né?

Macaco oi rs

– É.

Ontem e naquela hora também né, porrãn… mas enfim, ele puxou tanto assunto que eu não consegui dormir.

Enfim… pro voo que eu pretendia pegar pra Join, tinha 40 lugares, e só eu de stand-by, então deu super certo, embarquei e, como mamai e papai estavam em Join também, viemos todos juntos no carro deles pra Curitiba.

E foi legal, até jogamos Mario Kart 64 nós três 😀

Ufa! Que final de semana mais longo, né? Agora pega uma água que vamos pra terceira parte, porque assim como 2013, que já devia ter acabado mas ainda não acabou, essa história também não acabou.

Estava eu lá lindo e formoso colocando louças na pia, etc, peguei meu celular meio desajeitado e aí ueeeeeeeepaaaaaaa, saiu voando pela cozinha e aterrisou com a tela virada pra baixo no piso. Resultado: vidro da tela quebrou inteirinho.

😦

(eu quis tirar fotos mas não tinha como né)

O que fazer?

Bem, eu não quis dar uma de gênio e trocar sozinho, vai que eu estrago outra coisa no aparelho, né @morimotoson? Garantia não cobre danos por quedas, então, bem, assistência técnica.

Hoje de manhã fui “cedinho” na autorizada da motorola, que fica a algumas quadras de casa, e mandei trocarem a tela. 225 dilmas. Mas nem fiquei chateado, bens materiais a gente se vira, sempre dá pra dar um jeito né.

Diva

eu sou ryca, foda-se

Arrumaram na hora, esperei uns 40 minutos ali e recebi o telefone inteirinho novamente, nem parece que ele levou um tombo ontem.

Mentira, parece sim, o resto da carcaça ficou marcado também… mas no fim deu tudo certo e eu estou aqui postando.

Agora acabou o post.

E ESSE ANO DE 2013 QUE NÃO ACABA HEIN?

Já chega, pode parar de acontecer coisas, pqp…