o peso da idade

Viva eu que fiz aniversário dia 12 agora!

Michelle Obama

Weeeeeee!

Jesus abeçõe

chessus abençÕe muito

Sempre gostei de fazer aniversário bem próximo ao reveillon. Acho matematicamente mais fácil gerenciar um ano sabendo que, no meu caso, um ano = uma idade. Eu sou daqueles que faz restarts emocionais a cada reveillon, com balanços e promessas, então ter o aniversário perto do reveillon faz eu prometer coisas uma vez só por ano – mais fácil do que se fossem duas vezes.

Anyway, são 26 ~primaveras~ cheias de flowers…

Não sei porque comemorar, diz-se por aí que nos 26 começa o downhill, e a pessoa esquece a idade que tem, que começa a aparecer doença, que não emagrece nunca mais, que bibibi bóbóbó etc.

Doença e problema eu já tive/tenho, e inclusive a última vez que saí de um consultório, foi da médica fono (a Sra. Dinheiro) que me enfiou uma dieta chatérrima, que aliás, eu nem segui.

E o peso… hmmmm

Boneco Michelin

pneus da depressão

Me pesei esses dias. Não devia ter feito isso. Todos aqueles quase 6Kg que eu tinha perdido na época da bicicleta ergométrica e blablabla, tudo já voltou, e trouxe junto tipo mais uns 3Kg. Bati meu récorde da vida inteira. Ok, eu sei que quando o curitia perde a culpa é minha, comi demaaaaaaaaaaaaaais, praticamente só besteira, e bike (ou Just Dance também rssss) só pegou pó. Ou seja, quilos, quilos, quilos.

Mas a grande questão se resume a: POR QUÊ? Por que cuidar tanto da alimentação? Por que fazer exercício pra emagrecer? Que merda, né… Pra que emagrecer, se vamos morrer? Como dizia Tia Penha… um dia todo mundo vai morrer.

Entendo que tem a ver com saúde e blablabla, mas um belo dia a pessoa se olha no espelho e pensa “que saco, eu estou com vontade de comer feito gente de novo”. E aí toda a reeducação alimentar vai pro saco, tudo aquilo que foi cortado do cardápio reaparece, e o sentimento de estou gordo e as recomendações médicas todas passam para o segundo plano, e a pessoa se entope de comida. E aí… quilos, quilos, quilos.

Eu estava refletindo sobre isso da saúde esses dias… todo médico em que a gente vai, sai de lá com uma dieta. E aí não pode comer mais doce, nem gordura, nem carne vermelha, nem leite, nem glúten, nem álcool, nem nada. E aí a pessoa é obrigada a viver uma vida de merda, comendo só salada e frango (aliás, frango também não devia poder comer, porque é puro hormônio de crescimento), vive com fome, e não aproveita um dos maiores prazeres da vida, que é comer. E vive até os 120 anos, mas feliz que é bom… necas.

E aí é que começa o parafuso na cabeça da pessoa. Eu não quero ser uma pessoa infeliz por não ter comido bem. Mas não quero ser uma pessoa infeliz por me sentir gordo. E aí, comofas?

Bem-vindos ao paradoxo atual da minha vida… tenho duas vontades enormes na vida:

A primeira é simplesmente ligar o “foda-se” – comer um pacote de 200g de doritos vendo seriado sentado na frente da TV. Não quero uma vida de merda de frango e salada, eu quero comer, e viver só o suficiente pra ver meus netos um dia e dar chocolate pra eles antes do almoço, como minha mãe prometeu que vai fazer com os netos dela. E quero morrer de overdose lá pelos 60~70 anos, quando já não fizer muita diferença ser drogado, só pra minha família ter que roubar meu corpo no hospital e atravessar o país comigo morto no porta malas.

Little Miss Sunshine

como no filme

Afinal, né, vale mesmo a pena a gente viver se restringindo de tudo? Eu quero comer tudo que eu quiser (ui!) e quando estiver velho, quero fumar e cheirar tudo que quiser também. Pra viver menos, mas viver feliz.

Mas lógico – não quero virar um baleio também… a segunda vontade enorme é de perder essa borda de catupiry que since ever me acompanha nessa vida, e me sentir um delício, que alguém pegue no meu tanquinho (opaaaaaa pensaram outra coisa) e diga UAAAAAAAU COMO VOCÊ É GOSTOSO! Ok, ser gostoso não é ter tanquinho, mas eu queria UMA VEZ NA VIDA me sentir magro de verdade, em forma, etc. Never gonna happen.

E agora? Comofas?

Enquanto não estou nos 60~70 anos pra virar drogado e comer tudo, acho melhor voltar ao empenho do começo de 2013, tirar o pó da bicicleta ergométrica e perder os quilos que eu nem vou dizer quantos são.

Feliz aniversário pra mim, que estou em parafuso. Wee 😦

Boa noite lua, boa noite stars

Anúncios

raspadinha (esse título é repetido)

OE GALERE

Esse título é repetido porque essa situação é repetida, vide que isso já me aconteceu antes.

Anyway, o que me acontece é que sexta-feira de manhã, chegando em casa (sim, eu estava indo para casa sexta-feira de manhã), o carro da ~Moça do Bar~, que eu gentilmente apelidei assim porque o carro dela tem placas BAR, estava meio mal estacionado. E como o Migo é alguns centímetros mais largo (~ui) que o Nnovo, ficou mais difícil de manobrar.

Então entra assim nesse ângulo, dá ré e disterce pro outro lado, aí vai pra frente mais um pouquinho, e vai passar, vai passar, vai passaaaaaaaaaaaar, todo mundo torcendo, vai passaaaaaaaaaaaaaaar, RIIIIIIIIIIIISC, passou.

Na hora nem dei bola, pensei comigo “carro de plástico nem risca, deve ter amassado e desamassado e tá lindo ainda”.

Mass…

Migo riscado

quebrou riscou um pouquinho ali

Agora fica a pergunta: onde eu mando arrumar? Pessoal do trabalho sugeriu uma funilaria, mas eu achei esquisito, porque foi só um risco no prástico. Mas como bem lembrou a @joicebraga, não existe uma plasticaria para carros.

Ok então, eu vou na funilaria.

(E assim recomeça a saga de levar o carro na oficina)

E falando em levar pra oficina… vou ter que levar a minha cabeça pra oficina também, fazer fisioterapia. O médico que eu fui nem brigou comigo por eu dizer “olha só, pesquisei e os meus sintomas são exatamente os da VPPB”, ele simplesmente falou, “então é VPPB, tem que fazer fisioterapia”.

VPPB é o seguinte:

VPPB

VPPB for dummies

E quem quiser ler em português, vai na Wikipedia, e lê, eu só sei isso, não faço ideia do que é exatamente uma otoconia.

No fim das contas, não era labirintite.

Enfim… voltando… E falando em levar pra oficina…

Eu comprei esses tempos na dealextreme um cartão SD sandisk supostamente genuíno. Depois de muito rolo relacionado a venderlo para um colega aqui ou não, e aí o treco não formatar direito, etc, eis que eu perco TODAS as minhas fotos do final de semana lindo que eu tive com o @_Leander no Jardim Botânico etc etc, tinha até a nova futura foto de perfil dele, e foi tudo pro saco.

:~

In memorian das lindas fotos, eu encerro o post aqui cheio de lágrimas, porque as fotos estavam realmente maravilhosas.

😦

Beijos e boa noite lua boa noite stars nessas noites de 30ºC em Curitiba (qqqq?)

labirintite eu escolho você

MA OEE galere como vcs estão?

Por motivos de falta de assunto, semana passada não teve post, e essa semana, quase que ficamos sem again (eu podia falar sobre o Vivo Open Air, mas resumindo-o: filme ao ar livre, vento, frio, não pode levar comida, levamos anyway). Só que dessa vez morreu na justificativa número UM (lembram desse post, que apontava dez motivos pra eu não ter assunto? Pois é.)

E o motivo número UM é era: “não fiquei mais doente”.

Então que claro, o blogs precisava de assunto e então domingo de manhã eu acordei loucamente girando: a labirintite voltou.

😦

Claro que todo mundo sabe ao menos na teoria o que é labirintite, mas eu pensei em algo prático aqui pra vocês:

É mais ou menos isso aí.

E quando eu estava indo ao mercado ontem à tarde, meio zonzo ainda (as minhas crises funcionam assim: eu fico LOUCAMENTE GIRANDO enquanto to deitado, se eu me levanto passa, e se a crise é forte eu fizo meio zonzo ainda durante o dia, com aquela sensação de que a qualquer momento vai girar tudo novamente), eu comecei a refletir sobre O QUE eu trocaria pela minha labirintite.

Opção 1: uma viagem a

Londres

Londres!

Ok, não vale coisas boas, tem que ser outra coisa ruim.

NPH piscando

ao menos eu tentei

Opção 1: ganhar mil reais a menos por mês

WHAAAAAT?

WHAAAAAT?

Fora de cogitação, não sei como eu tive essa ideia, só sei que foi descartada na hora. Prefiro ganhar os mil reais e pagar os remédios que tenham que ser tomados.

Opção 2: Trocar tontura por dor de cabeça

Paft

No level de porta batendo na sua cabeça

Segundo a Chuck, não é uma boa troca (e ok, ela deve ter razão, eu já vi ela em situações bem ruins por causa da dor de cabeça)

Opção 3: Trocar tontura por diarréia

Elmo cagando

no peniquinho

Segundo a Chuck… ok, vamos pra próxima opção…

Opção 4: Trocar tontura por colesterol alto

Não dá, já tenho.

Opção 5: Trocar tontura por 10Kg a mais

Ok, a Oprah não é TÃO gorda, mas eu com 10Kg também não ia ficar tão gorda.

Mas ok, não quero, já é um sofrimento pra perder as bordas de catupiry as is, imagine as isn’t.

Ok, não deu. Vamos de labirintite então né?

NPH Joinha

boa sorte pra mim

Agora falando sério. Eu ODEEEEEEEIO essas crises fortes, porque eu sou obrigado a dormir no sofá (por motivos de inclinação maior), e é muito chato ficar tonto. Sim, podia ser pior, mas bom não é também.

Já marquei consulta com o meu médico habitual da labirintite, na próxima quinta-feira à tarde eu vou lá dizer pra ele AJUDE-ME DODTÔ.

Semana que vem eu conto como foi…

Beijos, e BOM DIA SOL, BOM DIA FLOWERS lindos! (post matutino whaaaaaaaat?)

PS: Esse post foi um oferecimento de How I Met Your Mother, que, assim como o blogs, tem ~episódios~ novos/inéditos quase toda segunda-feira