buenos aires! dia 10

Buen dia!

Último dia de passeios, e ainda por cima marcados pra começar tarde… almoçamos de novo no Cafe Metro Bar, aquele do segundo dia, e dessa vez eu pedi os ravioles con crema… melhor ravioli da vida, fantástico, o único detalhe é a tal da crema

Dica do dia:

Crema não é molho branco, é praticamente leite hahaha

Mas ok, pelos 32 pesos super vale a pena 🙂

Saindo dali fomos às compras de lembrancinhas… comprei sei lá quantas caixas de jorgito, Aguila, e um zilhão de unidades avulsas do negro que era mais barato na farmacity (2 por 5 pesos!)

E como faltava a gente provar o alfajor da Havana…

ALFAJOR!

Lá fomos nós pro Havana.

Alfajor Havanna

Havanna (pesquisei no google again, sem fotos)

Eu já conhecia o com cobertura de açúcar, mas o de chocolate não, e então finalmente um alfajor desbancou o jorgito. Mas como custa 8.50 pesos cada um, a lembrancinha é jorgito tá? Hahahaha

Mas a parte difícil de tanta lembrancinha (eu não sei quantos alfajores estou levando) é fazer caber na mala… ouch! Mas consegui fazer ela fechar com tudo dentro, inclusive as roupas que eu trouxe (yaaay!), e depois, pra fechar em grande estilo, fomos jogar pesos pela janela num lugar chamado Las Violetas

Las Violetas

Las Violetas

Las Violetas

vitrais até por dentro!

É um café/salão de chá onde as pessoas pedem uma bandeja de comidinhas variadas por 140 pesos. É chiquérrimo, e se fizer as contas de tudo que vem na tal bandeja, chega a ser barato, porque sobrou comida e nós trouxemos pro hotel (sim, eles embrulham!)

Chá Las Violetas

olha O TAMANHO da bandeja

Curiosidade:

Na Argentina eles servem ao lado do seu café/chá um copinho pequeno de água com gás gelada. Não entendi ainda a serventia disso, mas tudo bem.

Tem coisa ali ainda esperando a gente comer amanhã, inclusive um alfajor que eu não provei, vai ser meu café da manhã, junto com mais algum outro doce que está ali sobrando.
Ah, sim, e pra chegar lá nós pegamos o subte linha A, que é a mais antiga, que teoricamente teria os trens antigos e fofinhos MAS como nós pudemos ver hoje, só tem trens novinhos em folha, lindinhos, fofinhos, com uma locutora falando bem declarado, com todas as luzes acendendo direito e adivinhem? LO-TA-DO. Nós fomos espremidos a ponto de não precisar nem se segurar, porque não tinha lugar pra onde cair, só faltou sentir as ~partes~ alheias encostarem.

Como esse dia era mais curto mesmo de passeios, já que íamos refazer as malas e guardar as coisas, o post ficou pequenininho… amanhã embarcamos pelo Ezeiza direto pra Curitiba, então o post vai ter menos aventuras (assim espero!) e possivelmente a conta final da aventura 🙂

Besitos!

buenos aires! dia 9

BOM DIA Buenos Aires!

Começamos o dia acordando os dois às 6h da manhã devido ao calor que estava, ontem à noite choveu por causa do calor de ontem, então estamos esperando uma nova chuva pra muito breve, porque está tipo uns 20ºC… esquentou do nada, e mesmo assim, o pessoal estava andando de casaco na rua.

Curiosidade:

Argentino é friorento… sempre de cachecol, sempre de casaco. Ok, venta bastante em BsAs, mas não justifica…

E BOM DIA Buenos Aires! Re-começamos o dia lá por dez horas, e eu tive que começar a escrever o post já de manhã por causa de um episódio maravilhoso da limpeza do quarto: hoje acabou o papel higiênico do banheiro hahahaha e bem, eu estava precisando… essa acho que foi a única falha mais err… interessante (?) do serviço de limpeza, não ter trocado o papel quando vieram… mas tudo bem.

Depois de tudo resolvido, comemos o primeiro

ALFAJOR!

do dia, e provavelmente o último inédito que dá pra comprar em kioscos: Cofler.

Alfajor Cofler

Cofler

É bonzinho, me lembrou muito, mas MUITO o Tri Shot. Até a embalagem é parecida… então o veredicto final dos alfajores: Jorgito, como previsto (recebemos indicações)

Os passeios de hoje incluíam um piquenique, então antes de pegar o subte, passamos na Genova comprar empanadas, passamos no Martinez comprar medialunas e passamos no Carrefour comprar água gelada e suco de pacote (e compramos uma caixa de Jorgito aproveitando o ensejo). Meio pobrinho, mas é divertido, não dá pra negar 🙂

Descemos na Plaza Italia:

Plaza Italia

Plaza Italia

Ela é do lado do Jardim Botânico, então demos uma caminhada por ali.

Jardim Botânico

castelinho no Jd Botânico

No aspecto organização e disposição das plantas, muito bonito. Mas no aspecto limpeza geral, achei que ficou meio a desejar, aliás, as coisas aqui na Argentina não são 100% bem limpas. Não sei se eles não enxergam a sujeira ou o que, mas o Brasil (ao menos Joinville e Curitiba) é mais limpinho.

Dali seguimos pro Zoológico, MASS eram 75 pesos a entrada por pessoa, então a gente desviou pro Museu Evita, que eram só 20.

Museo Evita

entradinha do museu

Museo Evita

Evita sendo aclamada

E valeria até mais de 20, o museu além de lindo, é super tocante, dá pra acompanhar a trajetória política e social dela e entender porque os argentinos amam tanto essa mulher. E como ela morreu meio abruptamente, é triste também quando se chega no final do museu e se dá conta disso.

Dica do dia:

Obrigatório ir ao Museu Evita, mesmo, é um das coisas mais lindas e tocantes da cidade.

Dali caminhamos um pouco pelo Parque 3 de Febrebo e fizemos nosso almocinho sentadinhos na grama. Incluindo um

ALFAJOR!

que não estava nos planos: o da próprio Martinez.

Alfajor Martinez

Martinez (não tiramos fotos, vai do google)

É ótimo, mas como era o com cobertura de açúcar, não vale, acho que temos que provar ainda o de cobertura de chocolate (e falta o Havanna ainda!)

Seguimos pela Figueroa Alcorta pra tentar visitar o Malba e ver o Abapuru, já que ontem estava fechado, e chegando lá, eram mais 20 pesos. Resolvemos economizar esses porque era uma obra só que queríamos ver, e usamos o dinheiro pra pagar os 24 da entrada do Jardim Japonês. Que aliás, é LINDO demais, de novo valeu o dinheiro.

Jardim Japonês

“bandeirinha” simulando peixes ^^

Jardim Japonês

só podia pendurar um pedido se comprasse ele na lojinha 😦

Jardim Japonês

Cachoeirinha do Jardim Japonês

Jardim Japonês

a tal da Ponte

Jardim Japonês

mais do Jardim Japonês

Tem uma pontezinha linda que sempre tem alguém ocupando, ficamos uns bons dez minutos pra conseguir tirar uma foto da ponte sem ninguém 😛

Saindo dali, passamos na frente do Monumento dos Espanhóis e seguimos para o Rosedal.

Rosedal

chafarizes do Rosedal

Rosedal

Banquinho no Rosedal

Rosedal

rosinhas brotando

Woody

caiu o Woody 😦

Mil pontos pra quem criou esse último, os labirintinhos são lindos e NÃO PODE pisar na grama, tem gente cuidando. Um zé-banzé tentou e levou um xingo de uma guardinha que estava a tipo 400 metros de distância (ela enxergou a essa distância!). Único problema: nós viemos na época de poda das roseiras, então não tinha NENHUMA nem crescida, que dirá florida 😦

Próximo passeio: Planetário Galileo Galilei. Não chegamos a entrar porque não tinha nada em exposição no horário que chegamos, então esperamos o pôr-do-sol ali, porque o planetário é iluminado lindamente à noite.

Planetário à noite

Planetário à noite

Mas até o sol se por, os gansos (ou sei lá que bicho eram) dali vieram comer graminha perto do banco onde estávamos e alguns ficaram ameaçando a gente, gritando pra gente sair, mas nós ficamos ali, se borrando de medo, mas sem sair do banco.

Gansos

ATAQUE!

Mas foi legal também porque depois presenciamos o sexo mais rápido do mundo: um cachorro chegou, cheirou, subiu, e em menos de um minuto já tinha terminado. A coitadinha da cadela até gritou no meio do ato, então pensem na bitola do bichinho. E depois disso, eles ficaram grudados por um século, pensem só a depressão de ter que ficar grudado por sei lá, meia hora, após um quick sex de 1 minuto. Triste.

Sex dos cachorros

xxx rss

E pra fechar o dia, mais um passeio turístico básico: Tortoni!

P1010090

E ao contrário do que falam, NÃO era um absurdo de caro, um chocolate mais três churros foi por 40 pesos, e o chocolate era gostoso de verdade. Super valeu a pena.

Agora estamos aqui tomando vinho no hotel, agora é a vez do Alma Mora. É um Syrah. O Quara é melhor, na minha opinião, porque ele não é tão pesado, sei lá.

Vou encerrar o post por aqui enquanto estou sóbrio então 🙂

Amanhã, último dia de passeios 😦 mimimi (mas eu to cansando de postar tb, eita!)

Boa noite lua boa noite stars!

buenos aires! dia 8

subteHOLAA!

Hoje teoricamente teríamos um dia cheio, então era bom acordar cedo… béééé! Acordamos quase 10h, etc etc e comemos qualquer coisa no hotel mesmo, e logo depois:

ALFAJOR!

O Primeiro alfajor do dia: My Urban

Alfajor My Urban

My Urban

A embalagem parece de camisinha hahaha e o alfajor é bom, e o interessante é que ele não é caro, mas não lembro o preço também.

Anyway… subte linha D, estação Pueyrredon, que era a mais próxima da Recoleta (na teoria), e começamos os passeios marromeno às 11h pelo Cemitério da Recoleta. É um “show de arquitetura em miniatura”, os túmulos devem ter uns 2 metros de altura ou mais, e a maior parte deles é bonito mesmo, mas tem muuuuuuita coisa mal cuidada também.

O túmulo da Evita está lá, escondidinho no meio de um monte de outros, mas dá pra achar porque sempre tem alguém em volta.

Túmulo Evita

SEMPRE tem flores no túmulo dela

Dali seguimos por uma praça que tem na frente, mas que não sei o nome, tem diversas cabines telefônicas daquelas vermelhas de Londres ali (?), alguém sabe o nome? Tem umas árvores IMENSAS, uma árvore inteira dá mais que uma rotatória.

Árvore

imensa árvore na praça esqueci o nome

Nessa mesma praça tem uma entrada de um shopping chamado Buenos Aires Design, que é cheio de coisinhas fofas à la Imaginarium, e onde fica o Hard Rock Cafe também, que nós até chegamos a subir as escadas pra entrar, mas chegando na entrada interna desistimos e fomos embora… mas temos uma foto da fachada 😀

Hard Rock Cafe

pobres só tiram foto da fachada rsss

O passeio continuou no Museu de Belas Artes, que tem muuuuuita coisa conhecida, tipo Manet, Monet, Rodin, Candido López, Renoir, Degas, Cézanne, Charles Chaplin (siiim!) e até um Van Gogh! Mas Picasso não tinha (a @Lo_wski disse que tinha), cadê a graça se não tem um Picasso né? RSSS 😦

Renoir

Renoir

 

Cézanne

Cézanne

Do lado do museu fica a Facultad de Derecho: a fachada parece um templo romano, é maravilhoso.

Facultad de Derecho

pq Direito é algo Romando -AFFFF APAGAR

Logo do lado dela tem a famooosa Floralis Genérica:

Floralis Generica

Floralis Generica

Essa ~escultura~ (ou como se chamaria isso?) é uma flor (AH, É?) que abre abria com o nascer do sol e fecha fechava com o pôr-do-sol. Mas agora ela está velha e estragada, então não funciona mais 😦

“Almoçamos” às 15h no shopping Paseo Alcorta… esse sim não tem muita diferença em relação aos shoppings do resto do mundo… pra variar, comida argentina em grande quantidade e super quente 🙂
Dali fomos pro Malba, que é o museu onde está o Abapuru, da Anita Malfatti. A decoração de fora está cheia de bolinhas vermelhas fofas, porque sei lá quem está expondo algo nesse sentido e eles colocaram umas faixas nas árvores e pontos de ônibus pra combinar.

Bolinhas

árvores com bolinhas ^^

Mas adivinha? Tuesdays: closed.

Mimimi

Vamos tentar amanhã de novo.

O último ponto turístico foi a Biblioteca Nacional, um prédio muito divertido, que só vendo fotos mesmo pra explicar (é que estou exausto)

Floralis Generica

bizarro né?

Depois de tudo isso a gente se arrastou até a estação de subte e voltamos pro hotel

ALFAJOR!

O segundo do dia (e provavelmente o mais barato do mundo, pq tinha promos de 4 deles por 5 pesos): Guayamallen.

Alfajor Guayamallen

Guayamallen

Achei bizarro, o recheio é bom, mas a cobertura é chocobanha também, não gostei muito. Mas enfim… já comemos piores.

E pois é… a essa altura do turismo, alguém aí deve estar se perguntando: se estamos em buenos aires, ONDE RAIOS está o bife de chorizo? Estava no Don Julio, restaurante super turístico no Palermo Soho, que é conhecido por as pessoas assinarem seus vinhos, e eles guardam nas prateleiras, à vista de todos. E guess what? Pedi um vinho (claro que dos “mais baratos” pq eu não entendo muito e não sou tão ryca) e eu e a @Lo_wski assinamos e vimos ele colocar nossa garrafa à mostra ❤

Vinho Don Julio

pq somos Will & Grace

Claro que rolou um merchan, exatamente como no Burger Joint 🙂

E claro que por ser um lugar top top top, lá se foram 459 pesos e mais 60 de táxi pra carregar os estômagos cheios e as cabeças bêbadas pro hotel né hehehehe

Mas se até então não tínhamos feito nada de caro, ao menos agora podemos falar que o Don Julio VALE os 459 pesos. A comida é ótima, o atendimento é maravilhoso e por aí vai, a gente só não sabia que a conta seria tão alta porque nenhum outro blog se prestou a dizer que esse era o preço, então:

Dica do dia:

Don Julio é caro. Mas vale a pena 🙂

E ah, sim, depois de tanta comida boa aqui na Argentina, eu, sinceramente, do fundo do coração, sem ofensas, etc, etc, achei o bife de chorizo a comida mais sem graça daqui (notem que todas as comidas até agora foram maravilhosas). Por favor, não me julguem.

Passeios quase no fim, gentes, só mais um pouquinho 😛

Besitos e até amanhã!

AHH SIM!

Curiosidade:

Essa não é relacionada ao post, mas uma coisa que reparei aqui é que argentinos tem cara de argentinos, tipo japonês, que é tudo igual, sabe? Pois é… argentino também… e o pior… argentino é feio, credo! Acho que eu não pegaria, viu… eles em geral tem os dentes podres ou algo do gênero, e pra se diferenciar uns dos outros, eles fazem uns cabelos bizarros que vou te contar hein… Mas ao menos eles são magros (não sei como, pela quantidade que se come aqui, não dá pra entender), a maioria ao menos é…

Enfim, agora sim, besitos e até amanhã!

buenos aires! dia 7

ATENÇÃO! Esse post tem duas partes 😀 (só pq vcs adoram duas partes – ou não)

PARTE 1

Hoje foi um dos dias mais “turísticos” de todos: Calle Florida.

Calle Florida

a ruazinha de pedestres no canto direito da foto

Prédio lindo na Florida

como sempre, cheio de prédios lindos

Prédio HSBC

esse HSBC se fosse branco era o Gringotes hahaha

A Florida é tipo a XV de Curitiba, só que menos bonita (ou não), e menos lotada de gente (ou sim, porque hoje é segunda)

Curiosidade:

Na segunda-feira em BsAs as coisas não abrem normalmente… quase tudo está fechado ou abre só à tarde. Não deu pra entender ainda os horários argentinos.

Na Florida, a cada 15 metros tem alguém gritando CÂMBIO! CÂMBIO! DÓLARES E REALES! PAGO MÁS! mas nós não tivemos coragem nem de perguntar quanto era “pago más” pra eles, dado que ~conta-se~ que uma vez um zézão quis trocar 9 mil euros ali e foi literalmente roubado… então vamos salvar nossas notinhas de 50 reales.

A Florida fica a duas quadras do hotel, então fomos à pé até ela, descemos até o começo dela (que é na Diagonal Norte), depois voltamos tirando fotos de prédios bonitinhos até o shopping Galerias Pacífico:

Fachada Galerias Pacífico

a fachada já é linda…

Teto Galerías Pacífico

o teto, again, maravilhoso

Chafariz Galerias Pacífico

e ainda por cima tem um café em volta de um chafariz… é demais né…

E eu achava que o Abasto era bonito… plmdds, o Pacífico é MUITO lindo, quem foi que inventou os shoppings sem graça do resto do mundo?

E lá é que vamos assistir hoje ao tão aguardado TANGOOOOOOOO (parte 2 do post), que nem custou 150 dólares, que era valor dos tangos da página 1 de resultados do google.  Custou 150 PESOS (~5,5 vezes menos). Mas a gente não tinha 150 pesos trocados, e o câmbio maravilhoso de um quiosque do shopping era 1.91 (WHAT?), então tivemos que fazer um saque num caixa eletrônico. Vamos às contas: 1000 pesos saíram por 436,60, e até onde eu vi no meu extrato, a taxa de 20 reais do banco, o IOF e a taxa de 33 pesos do próprio caixa eletrônico (sim, tem isso também) estão todos incluídos aí. Conclusão: câmbio de 2,29. Quase tão ruim quanto o Banco de la Nación, mas era isso ou não ir no tango, então dane-se, vamos pro tango!

Ingressos comprados, saímos do Pacífico e seguimos pela Florida até o final, que é na Praça San Martin, que é bem bonitinha.

Praça San Martin

escaleras donadas por la fundación american express MUITO IMPORTANTE HEIN?

Na frente da praça fica o edifício Kavanagh.

Edifício Kavanagh

esse aí… super altão

Esse prédio rende uma ótima história, vamos lá: Nos idos de 1930, uma mulher chamada Corina Kavanagh amava um menine que era de uma família tradicionalíssima, e como ela era uma “new money“, a família DELE não aprovou o casamento. E pra se vingar, ela construiu o edifício com seu próprio nome, e abriu uma rua com o próprio nome também, com o objetivo de tampar a visão que o casarão da família dele tinha da Basílica del Santíssimo Sacramiento, que era o mausoléu da família. Pra eles poderem ver a frente da Basílica, só passando pela rua Corina Kavanagh. Fodona ela, né? Pois é, pontinhos pra ela pela audácia (mas os turistas também não conseguem ver direito a Basílica mimimi)

Basílica del Santíssimo Sacramiento

veja que a foto da fachada da basílica inclui um pedaço do Ed Kavanagh né

Anyway, seguimos à pé para a Torre dos Ingleses…

Torre dos Ingleses

Torre dos Ingleses

Linda também, e é de frente pra Estação Retiro, que é tipo uma estação central de ônibus e trens e afins, mas não chegamos a entrar.

Praticamente do lado dali está a Praça Canadá, que é bonitinha, mas não chega a empolgar, depois de ver tanta coisa bonita.

E até aí era pra ser o programa do dia, mas como era antes de 14h, resolvemos adiantar um pouco da Recoleta, que era o próximo passeio, então fomos à pé nas empanadas El Sanjuanino e almoçamos. Essa El Sanjuanino estava indicada por não sei quem num top 5 de empanadas, mas eu prefiro as da Genova ainda, e eu tô falando sério! Bem se vê que turista não vem pro centro por medinho, mas por enquanto nós sobrevivemos 7 dias sem problemas já 😀

O próximo e penúltimo passeio do dia SERIA tomar sorvete de creme no Hotel Alvear, indicação que eu recebi, porém chegamos lá e o sorvete era 75 pesos (ao menos era o que tava escrito no SOBREMESAS), então a gente saiu de fininho do hotel mais chique e lindo do mundo (meu alcance é só Brasil e Argentina, favor perdoar a generalização).

Pra voltar, foi mais uma pernadinha até a estação Callao do subte D, e pra nossa surpresa, as catracas estavam liberadas em plena segunda-feira às 16h (hein?) – again… não deu pra entender ainda os horários argentinos.

E aí só depooooooois de todos os passeios é que tivemos:

ALFAJOR!

O primeiro do dia foi o Cabsha

Alfajor Cabsha

Cabsha

O recheio e a massa são ótimos, quase no nível Jorgito, mas a cobertura me pareceu meio chocobanha, grudou um pouco no céu da boca hahaha

E foram esses os passeios turísticos do dia…

~~~

PARTE 2:

TANGOOOOOOOOOOOOOO!

Sinceramente, não tem o que dizer. Tem que vir pra ver ao vivo… o máximo que achei foi um “trailer” do próprio espetáculo:

Mas ao vivo é simplesmente LINDO DEMAIS. E ressaltando que pegamos um show “off-road” de tango, hein? O nome do espetáculo é Buenos Aires Pasión de Tango, quem vier pra cá já sabe…

Dica do dia:

PLEASE, turistas, não vão aos shows carérrimos de tango de 200 dólares, PLEASE vão ao Centro Cultural Borges e vejam o Buenos Aires Pasión de Tango, todas as segundas, 20h, terceiro andar da Galerías Pacífico.

Sem mais.

PS:

ALFAJOR!

O segundo do dia foi o Suchard.

Alfajor Suchard

Suchard

A @Lo_wski disse que é bolacha recheada com cobertura de chocolate, mas eu achei que é bonzinho… a massa é durinha, mas é gostosa. Pra mim não é bem um alfajor, mas tudo bem.

E depois desse, hora de dorm..OPAAAAA

ALFAJOR!

Terceiro alfajor do dia: Bon o Bon

Alfajor Bon o Bon

Bon o Bon

Meh, o recheio é de amendoim, me lembrou o bombom da marca “bon o bon”, parece um serenata de amor horizontal, não gostei.

Agora sim, depois desse hora de dormir 🙂

Amanhã tem mais!

buenos aires! dia 6

Hoje é domingo, dia de acordar tarde… então adivinha? Estávamos acordados cedo, pq c’est la vie…

Hoje foi dia de pegar ônibus, e como a gente ODEIA ônibus cheio, resolvemos sair “cedo”: 11h… mas a rua estava DE-SER-TA, até tirei uma foto da Corrientes sem nem carros nem pessoas… isso perto de 11h da manhã:

Corrientes deserta

dá pra ver que a rua tá deserta, né? Os carros ali estão estacionados…

Anotamos os ônibus que iam até o caminito: 29, 33, 53, 64, 152. Procuramos algum deles no novíssimo metrobus da 9 de julio, e bééééé, nenhum deles faz parte…

Tivemos que ir aonde tínhamos planejado inicialmente, num esquininha bizarríssima, da Florida com a Hipolito Yrigoen, que cheirava a xixi e era mega suja. Pegamos o 64 em direção ao Caminito, e custou 3.25 pesos por cabeça, mais caro que o subte… é uma pena que o subte não chegue lá, garanto que seria melhor (não, eu não gosto de andar de ônibus num país desconhecido, vai que eu me perco?)

E voilá, chegamos no Caminito!

Caminito

Caminito

Caminito

mais Caminito

Caminito

e mais Caminito

Caminito

e mais um pouquinho de Caminito

E bem… é bonitinho, mas como disse a @na_pl (que esteve aqui há pouco tempo), é uma favela colorida… e é verdade… o lugar não impressiona muito, e nem tem gente dançando tango na rua como estava “prometido”… (sim, as fotos enganam, não é tão fófis assim ao vivo)

Mas ok, não deixa de ser bonitinho e super turístico, todo mundo que vem pra cá, TEM que passar no caminito, pra pelo menos falar mal (ou comprar regalitos pra família hehehe OPS CONTEI).

Só pra explicar… as casinhas são coloridinhas porque eles usavam o resto de tinta que era usada pra pintar os navios ali, já que a região era pobre pobre pobre de marré marré marré mesmo.

E na verdade a região em volta continua bem pobrinha e ~suspeita~ mas av Almirante Brown pareceu segura, então decidimos voltar por ela, à pé mesmo… caminhamos um monte até chegar no Parque Lezama… na verdade só fomos lá porque era caminho pra Feria de San Telmo mesmo, é bem bestinha, super dispensável… mas nos leva à…

Curiosidade:

Tem MUITO cocô de cachorro, tanto nos parques quanto nas ruas mesmo… tem que andar cuidando onde pisa, e o pior é que isso é cultural, nós vimos um cachorro cagando na rua e o dono só chamou o bicho pra sair dali após o cocô e não ajuntou nada. Downside da cidade.

A Feria de San Telmo é tipo qualquer feira de qualquer cidade grande… tem todo tipo de coisa pra vender, algumas caras, algumas não, e é um aglomerado de gente andando pra cima e pra baixo… normal.

Tiramos foto duma coisa chamada Casa Mínima:

Casa Mínima

sim, é só isso a casa mesmo

Essa é a menor fachada da cidade. É uma porta embaixo e uma janela em cima, mas é interessante, porque pense só você morar num lugar assim, que divertido 😛

Também engolido pela feira estava o famosíssimo banquinho da Mafalda:

Mafalda

ownnnnnnnn a Mafalda ^^

É só essa esquininha com um banquinho, mas é tããão fofiiiiiinho, que até tirei foto da minha pessoinha (e que não será postada) 😀

O único tango ao vivo que vimos até agora foi só a música da orquestra La Hoguera, que tocou diversas peças ao vivo e free, e eu tive que comprar o CD deles pra dar pro meu papis como regalo, porque foi muito emocionante.

E depois disso voltamos à pé pro hotel, passamos pegar umas empanadas na Genova again, e parece que tivemos um dia inteiro de passeio, mas isso não era nem 16h. Estávamos os dois tão exaustos que ambos capotamos até perto de 18h, quando saímos pro Carrefour, aproveitar os 15% de desconto em todos os cartões de crédito YAAAAAY, e aí eu comprei dois vinhos, o QUARA, e o ALMA MORA.

Vinhos Quara e Alma Mora

vinhos ^^ muito amor por vinhos

Estou degustando o QUARA nesse momento, e é uma delícia… 40 pesos cada vinho, que provavelmente não existem no Brasil, ou devem custar uns 30 reais… pois é… portanto…

Dica do dia:

Vinho OBRIGATÓRIO a ser provado na Argentina: QUARA. É maravilhoso e barato!

Ah, sim e hoje, como não podia faltar…

ALFAJOR!

O alfajor do dia foi o Jorgelín:

Alfajor Jorgelín

Jorgelín

Pra @Lo_wski, foi o melhor de todos, passou o Jorgito, mas pra mim não, ficou em terceiro ainda 😛 mas é muito bom mesmo! 😀

Mañana, nem sei pra onde vamos, temos 4 dias ainda pra ir à Recoleta e ver Tango… guardando o melhor pro final hehehe
besitos, muchachos! 😀

PS:

ALFAJOR!

Sim, o post estava previamente escrito e tivemos de surpresa um segundo alfajor do dia: Body & Vida.

Alfajor Body & Vita

Body & Vida

Esse é super diferente, a “massa” é de arroz, pq ele é pra ser light… a @Lo_wski odiou, deu uma mordida e deixou o resto pra mim, mas eu só “não achei graça”, então comi tudo hahahaha

buenos aires! dia 5

ALFAJOR!

Pra começar o post sucintamente com o primeiro alfajor do dia: Terrabusi

Alfajor Terrabusi

Terrabusi

Temos um novo candidato a campeão… vou precisar provar novamente o Jorgito pra tirar a dúvida 😛

Mas enfim… turismo… hoje foi o dia da famosa Casa Rosada e do Puerto Madero, dois cartões postais da cidade.

Começamos pelo Puerto Madero, pra almoçar, demos uma boa caminhada por lá, que é um lugar lindo…

Puerto Madero

recentemente foi restaurada essa área, por isso é lindo

Puerto Madero

e do outro lado do “rio”

Atravessamos a Puente de las Mujeres…

Puente de Las Mujeres

que eu não entendi a lógica do nome vs formato (?)

Depois almoçamos num restaurante do próprio Porto Madero, chamado La Parolaccia del Mare. Almoço TOP, entrada, prato e sobremesa, e, de novo, porções ENORMES de uma comida maravilhosa… e o restaurante era lindo, tinha até um aquário com o Nemo e a Dóri 😀

Nemo e Dóri

podem procurar o Nemo pq tá difícil mesmo 😦

A conta deu 212 pesos, e eles aceitavam real a 2.50 (local mais “turístico”, câmbio mais baixo, mas ainda assim acima do oficial). Detalhe: a @Lo_wski pediu um petit gateau de sobremesa (aqui se chama vulcano de dulce de leche)…

Vulcano de dulce de leche

pelo tamanho da colher vcs conseguem calcular o tamanho do breguets né?

Vocês aí que pagam vintão no petit gateau com sorvete sabor manteiga do madero de curitiba achando que sabiam o que é petit gateau… sem noção, venham pra buenos aires pra saber o que é um de verdade. E ah, sim…

Curiosidade:

A comida em BsAs (inclusive sobremesas quentes, tipo o vulcano) é QUENTE. Mas quente no sentido de você não consegue comer ela sem esperar uns 5 minutos antes, porque senão vai queimar a boca MESMO.

Após o almoço passeamos pelo Puerto Madero mais um pouco, porque é enorme, tem uma região nova que tá em construção, de prédios chiques e caros, porém lindos, que se estende até a reserva ecológica que vai até o porto.

Prédio chique de Puerto Madero

prédinho simples

Outro prédio chique de Puerto Madero

quase MRV né

Ali, inclusive, do lado da reserva, parece um parque dos argentinos, com umas bancas de comida super pé-sujo, mas que ao que parece eles gostam.

De lá, voltamos em direção a Plaza de Mayo e à Casa Rosada… que aliás, é LINDA! (tudo aqui é lindo ahahaha).

Casa Rosada

Casa Rosada

Casa Rosada

eu amo zoom

Dica do dia!

Eles tem visitas guiadas em inglês e espanhol (no site diz português também, mas é mentira) que começam a cada dez ou vinte minutos, e são gratuitas. Mas isso só sábado e domingo, anotem aí.

Na visita guiada, o mocinho lá contou que a cor da Casa Rosada é devido à mistura de sangue de sei lá o que, com graxa branca (eu acho que era isso), que usavam pra pintar a construção em sei lá que ano (veja como eu entendo espanhol). Outra coisa que ele falou foi que todas as ruas de Puerto Madero são nomes de mulheres, em homenagem às mulheres argentinas que lalala bibibi bóbóbó (eu não entendi o resto).

A visita em si mostrando o palácio é um pouquinho demorada, porque o guia explica bastante coisa, mas super vale a pena, a fila não é muito grande, e por dentro a casa rosada é linda também.

Nós vimos a salinha da presidente e tudo, mas não pode tirar foto 😛

Outra construção linda é o Banco de la Nación Argentina… é quase mais bonito que a Casa Rosada, tem umas portas EEEEEEEENOOOOOOOOORMEEEEEEEESSSSSS, mas que obviamente não pudemos entrar.

Banco de la Nación

mais cálculo pra vcs: olhem pro tamanho das pessoas e depois pro tamanho das portas

Dali voltamos pra Puerto Madero ver o por-do-sol no Café Havana, mas não achamos nem o Café nem o por-do-sol. Estávamos com preguiça de procurar o Café, então ficamos nos banquinhos que tem por ali olhando o sol se por atrás dos prédios, e até queríamos esperar pra ver as luzes dos prédios se acendendo, mas demorou muito e o frio venceu, nós desistimos.

Demos uma passadinha pela Catedral e tiramos umas fotos NO MEIO DA MISSA (sou desses) e voltamos pro hotel pela Diagonal Norte, onde tem uns banquinhos lindos, parecem estofados…

Banquinhos estofados

super fofinhos e macios

IÉ IÉ! São só bancos pega-trouxa, na verdade eles são de cimento TÃ-DÃ! 😀

Chegando no hotel, hora do segundo

ALFAJOR!

do dia: Milka dulce de leche (eu postei a foto errada no dia 2, lá era o Milka Xtreme Choco, então vou colocar do outro Milka aqui ok?)

Alfajor Milka Choco

Milka

Um pouquinho doce demais pro meu gosto, mas não era ruim não… Milka tinha fama de ser o mais sem graça, mas na verdade ele só não é tão bom como o Jorgito, mas é good enough… muito melhor que os genéricos.

E à noite, pro jantar, arriscamos ir de novo na Genova, na cotação de 4.00 pesos pra 1 real (da última vez eles olharam pra gente com cara meio feia porque estávamos tentando passar 50 pila pra fazer troco, eles sacaram a gente), e bem atendidos como sempre, pegamos uma pizza pequena, uma faina (é um meio termo entre uma pizza e um bombocado de fubá só que salgado) recheada de tomate e um BLOCO de pudim de leite.

Bloco de pudim

NOVAMENTE calculem o tamanho do pudim com base no tamanho das letras na caixa de pizza que tá embaixo

Aliás, fazendo as contas, o pudim saiu por 2,50 reais, e pelo TAMANHO absurdo do pudim, realmente, no Brasil se come mal pagando muito caro.

Estamos aqui rolaaaaaando de tanto comer (baratíssimo again) e sobrou pizza pro café da manhã e tudo.

Amanhã, domingo, vamos tentar pegar ônibus, nos desejem sorte!

buenos aires! dia 4

HOLAAA

Hoje acordamos mais tarde, 9h e pouco (?) e de cara…

ALFAJOR!

o primeiro alfajor do dia: Aguila

Alfajor Aguila

Aguila

É bom, macio, vem com granulados em cima… mas nada excepcional, a @Lo_wski disse que parecia biscoito recheado mole (eu discordo), então Jorgito ainda tá em primeiro.

Como estávamos sempre saindo cedo e chegando cedo no hotel, decidimos sair mais tarde… perto de 11h, fomos no Cafe Martinez que tem pertinho do hotel, onde aceitam reais com cotação de 3.00… tomamos nosso desayuno com as famosas medialunas que não conhecíamos ainda… D-E-L-I-C-I-O-U-S… e é engraçado que são as coisas mais baratas do mundo aqui, tem medialunas no Burger King, a 9 pesos duas, com um café. Mega barato, e mega delicious (não provei as do BK ainda)

Dali pegamos o subte linha B e fomos em direção aos outlets! Dia de comprasssss!!! Rodamos o bairro Palermo inteiro (ok, quase), e tinha CENTENAS de outlets, meeeeesmo, e os preços eram bons, mas mais pra roupa feminina… roupa masculina tinha desconto bons nas marcas carérrimas, tipo Lacoste e afins, mas eu já não comprava isso no Brasil, então não tinha muuuuuita serventia pra mim…

Ficamos na saga da procura de uma jaqueta de couro pra mim, e o mais próximo que chegamos, foi uma jaqueta M que eu infelizmente não amei, e uma G de um virtine que era linda, mas eu nem provei porque era G. As promos eram em torno de 900 pesos, mas tem de 1600 sem ser promo também, vai do que a pessoa quer…

E afinal de contas, não compramos nada 😦 #outletdadepressao

O Palermo é um bairro super bonitinho, além dos outlets tem um monte de cafés fofinhos, e as ruas são diferentes, de paralelepípedos, só caminhar por lá já é legal.

Nós almoçamos perto de 16h num lugar pseudo-turístico chamado Burger Joint… E o lugar é só uma portinha, super passa despercebida… tanto que não aceitam nem cartão, que dirá real…

Placa Burger Joint

micro placa

E literalmente é um joint, as pessoas até assinam na parede 😀

Merchan na parede

ponto pra quem achar a surpresa nessa foto

O lugar é MUITO legal, recomendadíssimo, e o hamburger é MUITO grande (e vem com papas fritas também)…

Sanduíche Burger Joint

a foto do hamburguer na “vitrine” é MENOR do que o próprio ao vivo

To falando sério, é ENORME… o que nos leva à…

Curiosidade:

Em BsAs, TODAS as comidas são em porções enormes. Hambúrguer? GIGANTE. Macarrão? Um prato CHEIO. Sempre!

Depois disso zanzamos mais um pouco pelo bairro e fomos pro COTO, porque nas sextas tem (acho) 30% de desconto em todas as compras em qualquer cartão de crédito. Mas de novo… saímos de lá de mãos vazias… não tínhamos nada pra comprar no mercado hahaha (não comprei vinho porque não tinha abridor ¬¬)

Pegamos o subte linha C e voltamos pro hotel, e pudemos comprovar que…

Dica do dia!

Não precisa comprar o ticket do subte com moedas, só ônibus é apenas com moedas.

E no hotel…

ALFAJOR!

Comemos o segundo alfajor do dia: Pepitos

Alfajor Pepitos

Pepitos

Beeeeem fraquinho, não era nem macio, nem gostoso nem nada… dispensadíssimo.

Perto das 20h fomos jantar no Martinez outra vez, dessa vez uma saladinha, já que o hamburguer do almoço era enorme (e a @Lo_wski pediu uma tortinha). Mas AGAIN – até a salada e a tortinha são grandes… argentino come mesmo com muita quantidade (e qualidade!), a salada, mesmo sem ter sido temperada, estava uma delícia, e o frango que veio junto também… não sei que que esse país tem com comida, mas é uma delícia sempre 🙂

Encerramos o dia com mais…

ALFAJOR!

Foram dois… o Nevares

Alfajor Nevares

Nevares

Parece alfajor de pobre, meio sem gracinha, mas não chega a ser ruim.

ALFAJOR!

E o Negro

Alfajor Negro

Negro

Aaaahhhh esse sim! Muito bom, chega a ficar em vice, ele vem com coberturinha de amendoim picado, e tem um gostinho daquela massa que parece alcoólica, parecido com o da Havana, que ainda nem compramos (teoricamente vamos ter notícias dele em breve).

Pena que não compramos nada e pena que o Palermo, apesar de bonitinho, não tem nenhum ponto TCHAN pra tirar fotos, aí esse post ficou fraco… mas amanhã tem Puerto Madero hein? Aguardem! 😀

BESITOSSSS!

buenos aires! dia 3

BUENAS NOCHES!

Hoje vamos começar já com a

Curiosidade:

Em BsAs praticamente não existem postes… a fiação é passada de prédio em prédio e parece totalmente ilegal, olha só:

Fiação

Que zona (dá pra ver né?)

Hoje o passeio foi “light”… nós íamos de subte até o Shopping Abasto, mas como a gente descobriu ontem, as coisas são mais perto do que imaginávamos, então andamos até lá (deu uma boa pernada again, mais de meia hora)… almoçamos por lá enquanto eu tentava resolver o problema do meu cartão, que não estava passando no débito em lugar nenhum…

Resposta oficial do banco e

Dica do dia!

Na Argentina quase nenhum lugar aceita cartão internacional do santander na função débito… não sei porque… no crédito passa, mas débito não. Fiquem preparados.

Ainda bem que a mamis da @Lo_wski deu uma grana em reais pra ela, assim podíamos ir trocando conforme preciso, nos restaurantes e afins (consumindo, é lógico)

Pra minha grande surpresa, até almoço no shopping compensa, porque não são aquelas porçõezinhas micro que se serve em shopping brasileiro… era bastante comida, um prato razoavelmente cheio de nhoque saiu por 50 pesos, e um burger duplo, com sabor de carne mesmo (e não mc) saiu por 63, tudo com refri, e o burger tinha papas fritas (parece que tudo vem com papas fritas aqui)

O Shopping Abasto em tempos anteriores foi um mercado municipal ou algo do gênero, e ele é LINDO por dentro e por fora, nem parece shopping, VEJÃO:

Shopping Abasto

fachada do Abasto

Shopping Abasto 2

continuação da fachada (reparem que até as letras ficaram em continuação hahaha)

Depois disso demos uma voltinha pela Gardel e proximidades, e vimos diversas fachadas em homenagem ao próprio, tudo muito bonitinho 🙂

Esquina Carlos Gardel

Esquina Carlos Gardel

Fachada Gardel

ele era feio, gente!

novo sonho de consumo: ter uma casa com uma partitura na fachada!

novo sonho de consumo: ter uma casa com uma partitura na fachada!

De lá, andamos mais algumas quadras pela Corrientes e chegamos numa sorveteria chamada Banóva… sorvete bom e barato… mais ou menos uns 200g de sorvete artesanal por 15 pesos, fazendo as contas, dá tipo 6 reais e 50… nenhum Freddo do Brasil serve assim barato com a mesma qualidade…

Tomei o sorvete de dulce de leche, a pedidos da chuck

Helado Bánova

o de doce de leite é o da direita, lógico

Meh, ledo engano meu que o doce de leite argentino teria um gosto muito diferente do brasileiro… nem tem… desisti das coisas de doce de leite daqui, já provei, e não amei (mas é meu gosto, ok? pra quem gosta, é um prato cheio)

E depois de andar taaaaaanto, desistimos de continuar em direção ao Museu de Ciências Naturais que iríamos visitar, e procuramos de kiosco em kiosco quem tinha moedas pra trocar, pra podermos pegar o subte (nome do metrô deles)… no fim das contas dava pra pagar com dinheiro, e só nós não sabíamos.

O subte é CHEIO, mas é rápido e MUITO barato… 2,50 pesos te dá direito a entrar e depois dá pra fazer todas as conexões que quiser, onde elas existem, só não dá pra mudar a direção (aliás, dá sim, mas só em algumas estações específicas)

Chegamos umas 15h30 no hotel e desistimos do dia, a @Lo_wski estava cansada demais (eu não, claro, magiiiina) 😛

E então…

ALFAJOR!

Foi a vez do Cachafaz

Alfajor Cachafaz

Cachafaz

É um pouquinho diferente dos anteriores… a parte do biscoito é mais durinha, então ele se torna um alfajor meio crocante… mas o recheio é super molinho e delicioso, dá um contraste… adorei 🙂

E logo em seguida outro

ALFAJOR!

Na verdade foram os dois juntos, mas enfim… o segundo foi o Vauquita (que eu acho que deveria se chamar VAQUITA, sem u)

Alfajor Vauquita

Vauquita

Ele é triplo (três camadas de biscoito)… me lembrou um pouquinho o Milka, mais suave e tal… muito bom 🙂

Lá por umas nove horas fomos jantar no Café de la Ciudad, fica na esquina da 9 de Julio com a Corrientes… fizeram pra gente o câmbio a 2.80… pizza MARAVILHOSA, dividimos duas pequenas de sabores diferentes… no total deu 50 pesos por pessoa, o que é a média mesmo.

Engraçado que aqui, nos restaurantes, aquela gasosinha de pomelo chamada Paso del Toro custa sempre entre 15 e 20 pesos, que pelo câmbio oficial daria em torno de 6 a 8,50 reais… meio caro pra uma garrafinha de 350ml né? mas é o que custa e fim…

E o dia se acabou aí, amanhã vamos ao dia quatro, dia de OUTLETS! YAAAAY! Comprassss!!!

buenos aires! dia 2

BUENOS DIAS!

Acordamos de boua na lagoua e já começamos com a seção

ALFAJOR!

Comemos o primeiro do dia logo de manhã: tri shot…

Alfajor Tri SHOT

Tri SHOT

Achei melhor que o OREO, mas a @Lo_wski não… o tri shot tem uma camada que tem gosto de amendoim (ou são todas as camadas com gosto de amendoim, já esqueci porque faz muitas horas)

Dentre as coisas compradas ontem no carrefour, tinha um chá preto da marca taragui, que foi BARATÍSSIMO, uma caixinha custou 4 pesos e pouco… e acreditem, é ÓTIMO! Lembrou os chás que a Chuck me trouxe da Inglaterra, então sintam a delícia 😛

Falando nas compras, o pão deles tem o mesmo gosto que o brasileiro, mas o creme de queijo e o presunto que compramos eu achei melhor (mas é uma fortuna aqui, 16 pesos por 200g de presunto comum).

Y salimos 🙂

Primeira parada: Palacio Barolo

Palácio Barolo

Palácio Barolo

Lindo por fora, lindo por dentro, mas não subimos os andares… tem visita guiada, então vai que a gente é barrado ou leva um xingo já no primeiro local turístico visitado? Melhor não… as visitas são às 16, 17, 18 e 19 horas, mas são uma fortuna, algo próximo de 100 pesos, nem sei. Mas pra quem já leu A Divina Comédia deve ser interessante, porque os andares são na ordem do livro, é uma referência, mas como eu não li, não sei explicar nada.

Segunda parada: Congresso

Congresso

Congresso

Tem uma réplica do Pensador, de Rodin, sentado no meio da praça, que fica em frente ao Congresso, e a danada da estátua é razoavelmente grande… Legal é que alguém que estava passeando com cachorros amarrou um monte deles numa cerquinha, tadinhos…

Cachorros na Praça do Congresso

um tava chorando :~

Não chegamos a entrar no Congresso em si, estava fechado… mas tinha um grupinho de pessoas protestando pela legalização da maconha (mas só plantar em casa, eu acho)… argentinos protestando também, hein? (10 pessoas hahaha)

Protesto Cannabis Argentina

Lex Luthor não estava no protesto, nem metade daquele monte de gente, a maioria era só pedestre

Voltamos pra casa e adivinha?

ALFAJOR!

Comemos o segundo alfajor do dia: Jorgito

Alfajor Jorgito

Jorgito

AGORA SIM estamos falando de alfajor… esse é muuuuuuuito bom, e por enquanto é meu favorito… se preparem que provavelmente essas vão ser as lembrancinhas de vocês ok? Um Jorgito pra cada um 😛

Almoçamos perto de 14h, porque…

Curiosidade:

Argentinos almoçam tarde. Aliás, o dia começa tarde em Buenos Aires. Os cafés servem desayuno até meio dia geralmente, ou até mais que isso, e os restaurantes estão cheios mesmo depois das 14h. E o horário de pico deles de voltar pra casa não é 17/18h, é 19/20h mesmo.

O almoço foi no Café Metro Bar, fica na av 9 de julio… aceitavam real também, a 2.80 (não é tão bom quanto 4.00, mas é melhor que o banco né). E com menos de 25 reais cada, a Lo comeu uma empanada de frango e um prato enorme de talharim, e eu comi dois pedaços ENORMES de costela assada com batatas (e estava uma delícia, saímos rolando de lá)…

Saindo de lá, fomos para o Teatro Colón

Teatro Colón

Tiramos muitas fotos por fora (contra o sol YAY), porque é muito lindo também (quase todas as construções antigas aqui são lindas)… em seguida passamos fora do museu judio, porque era 50 pesos para passar por dentro… mais fotos, muito lindo, etc

Um pouco mais a frente, na av Cordoba, fica o Palácio das Águas… engraçado que ele é off-circuit pra turismo em geral, não achamos indicações em blogs/sites turísticos, não sei porque… deveria porque foi o prédio mais lindo que eu já vi, disparado… sem comentários, só fotos:

Palácio das Águas

Palácio das Águas

Palácio das Águas - close 1

Janela

Palácio das Águas - close 2

Outra janela

A três quadras dali, fica a livraria El Ateneo: famosíssima, e lindíssima por dentro… também sem comentários, só fotos:

El Ateneo

Por dentro da livraria

Teto El Ateneo

Gravuras do teto

E depois disso, voltamos a pé pro hotel, o que foi uma boooa pernada, mas apesar de tudo não foi tão longe. O que nos leva à

Dica do dia!

As quadras em Buenos Aires são relativamente pequenas, então olhando pelo Google Maps as coisas parecem longe, mas não são. Então a dica é: ande a pé! É fácil, e seguro (não entre nos becos, claro!), e você não vai se incomodar pegando um táxi que vai ficar preso no trânsito ou tentar te passar uma nota falsa ou te passar pra trás…

Chegando no hotel…

ALFAJOR!

Comemos o terceiro alfajor do dia: Aires de Luján…

Alfajor Aires de Luján

Aires de Luján

Prefiro o Jorgito, mas esse ficou em segundo.

Lá por nove horas, saímos pra comprar empanadas na preferida pizzaria Genova pra trocar uns reais… cada um escolheu duas empanadas e tentamos pagar os 32 pesos com 50 reais (que seriam 200 pesos)… mas ele devolveu 32 reais de troco e mais 40 pesos 😦 e nós aqui achando que íamos ficar ricos comendo 😦

E de sobremesa…

ALFAJOR!

Sim, o QUARTO alfajor do dia: finalmente o super aguardado Milka!

Alfajor Milka

Milka

Um novo segundo colocado, todo mundo fala que é o mais sem graça, mas eu não achei não.

E é só, lindjos (como se tivéssemos feito pouca coisa hoje). Amanhã tem mais!

Beijos e bom dia sol, bom dia flowers!

buenos aires! dia 1

OEEEEEEEE

galere, como vcs sabem eu ia pra buenos aires, e na verdade já fui e já voltei 🙂

então começa aqui uma série de ONZE posts em homenagem aos onze dias em que meus pés estiveram por lá… mas claro que todos os posts foram escritos em real time todo dia lá, só que a internet do hotel era um cocozão então só posso postar agora… portanto, TODO DIA tem post ok? ^^

(inclusive os posts tem seções específicas! vcs vão ver)

bjs e o primeiro começa aqui:

HOLA CHICOS! BUEN DIA SOL BUEN DIA FLOWERS!

Entonces que estoy en buenos aires e mi español es mui fueda, entonces voltei pro português pq c’est la vie né

Vamos às aventuras então:

Tudo começa com eu e a @Lo_wski (revelada afinal a companhia misteriosa!) acordando às 4h30 da terça-feira dia 13… comemos qualquer coisa que tinha na casa dela, pegamos um táxi até a rua 24 horas em Curitiba e de lá o aeroporto executivo até o afonso pena…

Tomamos café da manhã lá na tal da lanchonete popular, e não é que era bom e barato mesmo? 😀

Tudo isso com esse nascer do sol aqui VEJÃO

Nascer do sol Curitiba

BOM DIA SOL!

Sete e quarenta decolamos para guarulhos e chegando lá, tomamos um chá de 3h30 de aeroporto, sendo obrigados a comer mcdonalds (pqp!)

Meio dia e vinte, decolamos para buenos aires YAAAAAAAAAAAAAY e descemos no aeroparque, que fica na cidade de buenos aires mesmo às 15h… fiiiiiiiiiiiiiiiila pra passar na polícia da argentina e CARIMBAR O PASSAPORTEEEEEE

Carimbo no passaporte

esse passaporte é meu mesmo, viu? nem pesquisei esse carimbo no google, juro!

Depois fiiiiiiiiiiiiiiiiiiiila pra trocar dinheiro no banco de la nación com um câmbio HORRÉÉÉÉÉVEL (o comercial estava 2.45, trocaram pra gente por 2.26)

E a primeira cagada turística vem logo em seguida… pegamos um táxi desgraçado cujo motora NÃO QUIS ligar o taxímetro, e nós também não sabemos falar “taxímetro” em espanhol, ou seja… ele cobrou o quanto quis. Detalhe é que ele era de radiotáxi, que teoricamente são os confiáveis que não te dão nota falsa nem passeiam com você por lugar nenhum pra ganhar mais dinheiro. No fim das contas o quanto ele quis foi 110 pesos (quase 50 reais), quando o normal seria menos de 50 pesos. Então vamos à…

Dica do dia!

foda-se o táxi que você pegar no aeroparque – é furada sempre hahahaha

Anyway, chegamos no hotel que eu contratei via airbnb (ótima pedida, quem quiser mais detalhes me peça outra hora) e eu já estava triste e desolado pq mal tínhamos chegado e a cidade já estava passando a gente pra trás… com fome e cansados a gente resolveu ir no carrefour pra comprar qualquer coisa e ao menos uma coisa deu certo, meu cartão passou direitinho (mas as sacolas plásticas são pagas – o que por outro lado é bom também)

Voltando pro hotel, resolvemos comprar umas empanadas numa pizzaria genericazinha, chamada Genova, na av Corrientes, e aí a sorte mudou, descobrimos que aceitam real, e fizeram a 4.00 pesos pra gente!!!! UHUUUUUL (essa vai ser a dica do dia amanhã – SPOILERS!)

Jantamos lá, deu quinze reais pros dois juntos, cada um comeu duas empanadas e tomamos uma garrafinha de algo parecido com H20, era sabor pomelo (grapefruit), tudo lá é de pomelo, credo! Mas as empanadas da Genova estão recomendadíssimas, são gostosas, apesar do lugar parecer meio pé-sujo (ops!)

E lógico: Buenos Aires = alfajor… próxima seção:

ALFAJOR!

Comemos só um:

Alfajor OREO

OREO

Eu não achei o OREO grandes coisas, tem aquele recheio do próprio biscoito, e eu não sou muito fã… mas a @Lo_wski gostou 😛

E pra fechar o post…

Curiosidade:

Atravessar a rua em Buenos Aires é engraçado… o sinal de pedestres abre mesmo que os carros da rua que cruza a que você está atravessando possam entrar nela… ou seja… prioridade para o pedestre atravessar, então os carros que estão virando a esquina são obrigados a parar e ficam andando a 2Km/h pra conseguir desviar dos pedestres. A lógica é ótima, no começo você fica com medo de ser atropelado, mas depois que se acostuma, a ideia até parece melhor que aqui no Brasil.

Lindos, amanhã teremos mais alfajor e mais aventuras 😀

Buena noche luna, buena noche stars