de onde vem as estantes?

Eu como todo bom consumidor de livros, games, CDs e (muuuuuitos) DVDs, tenho uma estante fofísisma que eu comprei quando me mudei para Curitiba, e ela é toda cheia dos ~design porque eu sou bichona decorador também (mentira, não sou, só acho que sou).

Estante antiga fofa

olha que gay linda a estante e a decoração e etc ❤

Mas chegou um ponto que a estante não comportava mais tudo, tinha livro jogado pela casa inteira, os games não cabiam lá e etc e tal. E eu precisei comprar uma estante nova. Nada mais ~decorador que comprar uma estante IGUAL, mas em outra cor, e fazer um mixing up das duas, né? Eu sou um gênio dos móveis, BEIJO MÃE!

Pra comprar uma estante IGUAL, o melhor caminho é ir na mesma loja online, a Lojas KD. Acha a estante, escolhe a cor, coloca no carrinho, blablabla, calcula frete, TRINTA PILA, CHESSUS? Não, tem que ter um método melhor, essa loja é de Curitiba, right? Vamos na fanpage do Facebook perguntar.

Confirmação Lojas KD

blablabla

Bom, então tá. Como não era só eu que ia comprar coisas, a @Lo_wski, uma das clientes mais fiéis do Banco Hilger, ligou lá e a resposta da galere foi:

WHAAAAAT?

WHAAAAAT?

“Não pode buscar aqui, moça, daonde ce tirou isso?”. E ela mandou o print pra eles, no fim, ok, aceitaram, cobraram duas vezes por acidente, e ok, tudo certo, prazo de entrega: 15 dias.

…..quize dias depois…..

YAAAAAAY! Móveis prontos! Vamos buscar! Olha o endereço e onde era mesmo?

Pinhais.

.

.

.

Pinhais.

.

Um minuto de silêncio por essa informação.

Pinhais não é Curitiba, gente, é tipo New Jersey… em New Jersey a galere diz que mora em New York City, e… bem… não é verdade… aqui é a mesma coisa… claro que Curitiba não se compara com New York City porque onde já se viu comparar uma cidade européia com os USA, né, não dá. Anyway, assim como eu adoro fazer piadas sobre Colombo, eu odeio passar pelas lombadas que tem em Pinhais. Tem duas avenidas que não tem lombadas. As outras ruas da cidade tem uma lombada a cada quadra. Eu rampei pelo menos uma, e quase entrei numa contramão porque em Pinhais não tem placas de trânsito.

(@maise_ani  e @taissakaram eu perdoo vocês por morarem em Pinhais, ok? rsss)

Finalmente depois de andar um pouco por lá, achamos o negócio de distribuição, e guess what? Só nós tínhamos ido lá buscar, provavelmente em meses, porque eles nem perguntaram nosso nome, só disseram “vieram buscar” entre si. E bem, lá vieram eles depois de um tempinho com as caixas e guess what?

Móveis no Migo

não cabia no migo 😦

E aí no enjambre que conseguimos fazer, bem, a @Lo_wski foi “de táxi” pra casa, no banco de trás do Migo, e eu praticamente fiquei sem enxergar nada no espelho direito. Mas todas as portas fecharam, etc, tudo resolvido 🙂

Agora a gente chega na parte macho do post. A parte da testosterona. A parte da montagem da ~estante fofa~, incluindo um detalhe: SEM PARAFUSADEIRA, foi na chave de fenda mesmo.

E como eu sou bichona decorador também, é claro que eu inventei de misturar as duas estantes, já que elas eram iguais, mas com cores diferentes. O resultado final ficou ótimo, mas calma que eu chego lá ainda. Pra misturar as estantes eu precisei desmontar partes da primeira, e obviamente, tirar tudo dela. E só de brinks, eu empilhei meus DVDs pra ver o tamanho que ficava…

Pilha de DVDs

e ficou quase da minha altura

Mas não ficou tudo organizado, foi uma lambança também, porque eu acabei aproveitando pra tirar lixo da mesa da sala, e da mesa do computador, organizando meus videogames, blablabla e a casa ficou cheia de tralhas.

Zona em casa

essa parte era a light da sujeirada toda

Mas no fim das contas, eu terminei de montar tudo, e ficou LIMDO ❤

Estantes novas

que estantes mais gays fofas ^^

Pronto 🙂

Agora eu tenho DUAS estantes praticamente cheias de coisas, e a minha casa finalmente ficou organizada 🙂

Mundo perfeito etc ou quase – é claro que a bichona não é acostumada a montar móveis e tá com calos agora na mão, de tanto bater apertar parafuso.

Mas é a vida, vamos ver o lado bom.

Boa noite lua boa noite stars!

Anúncios

global game jam

OE GALERE

Depois de uma folguinha do blogs, que coincidiu com as férias do meu chefe e uma estada da chuck aqui em casa, eis que surge novamente EUZINHO aqui pra contar como foi a global game jam que aconteceu em janeiro ainda, no final de semana passado. Nada atrasado o post, né? rss

Eu fiz e refiz esse post sobre a game jam, e quando eu tinha finalmente terminado um postmortem do jogo feito lá, eu resolvi que não queria postar aquilo e apaguei. Porque afinal, o jogo não ficou pronto… o certo é fazer um postmortem de um jogo quando ele está pronto, mas já que não ficou pronto, vamos esquecer o postmortem.

Então vamos à história…

Minha primeira Global Game Jam. Minha primeira Game Jam, per se.

Logo Global Game Jam

ói que buni a logo desse ano 🙂

Eu não sabia como funcionava, não sabia o que esperar, não sabia o que ia acontecer, não sabia o que levar… portanto, todos os pré-requisitos para uma boa aventura preenchidos. Levei tudo que imaginei que fosse útil, trocentos cabos, carregadores, adaptadores, papeis, equipamentos, etc, só não levei roupa e colchão porque decidi dormir em casa. O que aliás, foi muito bom, como disse o organizador: “não é Big Brother, galera”.

O evento estava marcado para as 17h da sexta-feira, e ao chegar na PUC, nossa sede aqui em Curitiba, logo na hora de se registrar, a pessoa podia preencher suas habilidades no crachá, o que eu achei uma ótima sacada, VEJÃO as minhas:

Habilidades

AI CHEIO DAS HABILIDADE

Mas ó, eu só não usei a habilidade de roteiro, o resto eu usei bagarai na jam toda.

Enfim… chega, preenche, etc, encontra um lugar pra sentar, espera…. espera… espera… espera… espera…

18h começou a palestrinha inicial, e finally saiu o tema, que foi o seguinte:

Tema GGJ

Nós não vemos as coisas como elas são, nós vemos as coisas como nós somos

Ai, quer saber? Não gostei. Muito difícil… mexer com realidades e pontos de vista não é algo pra 48h- de trabalho né?

Pois é. Mas não tinha o que fazer.

Me arrumei numa equipe ali (mãe, eu socializei!), e bora trablhar… brainstorming durou tipo uma hora, uma hora e meia, e eu tentei dar uma de game designer e formalizar os elementos do jogo, mas ninguém quis me ajudar, então ok, vamos fazer na louca mesmo.

E eu fiz a parte que eu mais gosto na hora de fazer jogos: música e level design. Fiz um bocado de levels pro nosso jogo VEJÃO

Levels

mosaiquinho dos levels que eu desenhei ❤

Eu sou foda né? ^^

Pois é, isso tudo eu desenhei no sábado, e depois comecei a fazer a música, que aliás, também ficou ótima ❤

E uma das melhores partes: teve pizza de graça, patrocinada pela Unity… e sabe quantas?

120 pizzas.

Topo da torre de pizza

isto são 120 pizzas

Base da torre de pizza

ok, agora são 120 pizzas

Fodástico né? 😀

MASSSSSSSS nem tudo foi maravilhoso… por motivos de falta de tempo e um pouco de atrito na equipe, o jogo acabou não ficando pronto. A fase do segundo desenho da esquerda, e do último desenho da direita, que eram super importantes pra passar o clima do jogo, não ficaram prontas dentro da Unity, que foi usada pra montar o jogo, e esse motivo já foi suficiente pra deixar o jogo incompleto. Some-se a isso alguns bugs, e uns efeitos sonoros que foram adicionados errados ao jogo (eu fiz TANTOS efeitos sonoros, ficaram ótimos, mas não tem nem 10% na última versão do jogo), e adivinha? O jogo ficou uma bosta.

Nem vou postar link pra vcs jogarem nem nada, foi super frustrante, e quando eu cheguei em casa, até tive que desabafar, porque afinal, se o jogo ficou uma bosta, é culpa do game designer né… o som também ficou uma bosta, culpa do designer de som… os levels ficaram incompletos, culpa do level designer… ou seja, é como se eu só tivesse feito merda na jam, e não foi bem assim… se eu colocar no meu portfolio, vira queimaceira…

Mas a arte do jogo ficou bonita ao menos 🙂

Ròga

nosso incompleto jogo se chamou Ròga

Anyway, fica o aprendizado. Dicas pras próximas jams:

1 – Não precisa mesmo dormir no local, dá pra ir dormir em casa tranquilamente.

2 – Se é sua primeira jam, tente se juntar a uma equipe que tenha alguém com alguma experiência. Pessoas com experiência tem mais noção de quanto é 48h para fazer um jogo.

3 – Se é sua primeira jam, tente NÃO se juntar a uma equipe que tenha alguém com muita experiência. Pessoas com experiência acham que o próprio feeling é melhor que o dos beginners, e decide coisas por si só sem consultar ninguém, e também corta a criatividade dos outros.

4 – Se estiver com medo de ir, esqueça o medo e vá. No mínimo você vai sair de lá com contatos novos pros seus próximos jogos. Eu já estou trabalhando again com os artistas da minha equipe, se o Ròga não deu certo, o próximo jogo dará 🙂

E é isso aí, galere, próxima game jam vai ser em março, mas vai ser algo pessoal… carnival game jam aqui em casa, eu e o @_Leander, estamos aceitando temas pra jogos.

QUE TAL UM TEMA DE BEIJO GAY NA NOVELA HEIN? Hahahahaha falo sobre esse assunto quinta-feira, tá? Pq pra variar vou falar sobre assunto atrasado 🙂

Beijos, galere, boa noite lua, boa noite stars, bom ver vcs aqui again ^^

microturismo

Acabei de inventar a palavra “Microturismo”: significa fazer turismo em um único ponto numa cidade e ficar o menos tempo possível no local. Meio que “pra constar”.

Dado que a Chuck veio me visitar, e nem ela nem eu (ao menos desde que me mudei pra Curitiba) tínhamos ido ao Parque Tingui ainda… Então, bem, vamos lá, nem é longe de casa…

Lá fica o Memorial Ucraniano, onde vendem uns ovos pintados que nem são de Páscoa, são de boa sorte, e etc, eu ganhei um há uns seis anos da Ana, quando eu fui lá e nem morava aqui ainda… enfim, a gente resolveu fazer microturismo lá, e o plano era o seguinte: chegar lá, ir no memorial, tirar umas fots, e voltar pra casa.

Passeio Tingui planejado

como era pra ser

O ponto 1 foi onde conseguimos parar o carro, e o ponto 2 é onde fica o Memorial Ucraniano.

Claro que nosso passeio foi um pouquinho diferente.

Passeio Tingui realizado

como foi

O ponto 3 foi onde a gente parou pra descansar, visto que né, que burrice.

Sim, eu assumo que a culpa foi minha, eu achei que havia um caminhozinho que ligasse o Memorial à trilha que seguimos. Mas não tinha, como pudemos descobrir na prática. E isso que a gente cortou caminho saindo da trilha e passando na beiradinha de um laguinho, que era quase um mato, tinha buracos na grama e tudo… #aventura #radical

Tudo isso pra ver o tal do memorial…

Memorial Ucraniano

É um igreja e acabou

Pois é. Falhou o microturismo.

Então tá, na próxima torçam pra gente fazer microturismo de verdade.

E foi só isso que teve de interessante nos últimos dias, 2014 está sendo ótimo pra dormir 🙂

Não, eu não estou reclamando, eu estou é gostando ❤

Boa noite lua boa noite stars!

primeira aventura culinária de 2014

OOOEE galere!

Antes da aventura culinária, eu gostaria de agradecer a todo mundo que passou por aqui nos últimos dias e comentou a história do Park Shopping Barigui, só pra vocês saberem, foi o post mais lido mais rapidamente da história do blogs:

Gráfico Blogs

🙂

Fiquei bem feliz, teve pedido de desculpas e merchandising da Prata Fina e tudo.

Anyway, seguindo em frente, ontem foi meu aniversário EEEEEEEEEEEE e eu farei um post sobre isso quinta-feira… aguardem! 🙂

Agora vamos ao que interessa: a aventura culinária: Pão de queijo na sanduicheira.

Esses dias surgiu no facebook um compartilhamento aleatório sobre como fazer… e pareceu interessante e bem simples, VEJÃO como deveria ser:

Pão de queijo de sanduicheira

no mundo ideal seria assim

Mas obviamente, qualquer comida/receita/etc que venha pro blog, tem algum PS imprevisto ou whatever. No post do facebook as instruções eram:

“Modo de Preparo: Bata no liquidificador 1 xícara de leite, 1 xícara de óleo de cozinha e 3 ovos, depois acrescente 2 xícaras de polvilho doce e a metade de um pacote de queijo ralado parmesão e sal a gosto. Bata até ficar homogêneo. Unte a sanduicheira com óleo com a ajuda de um papel toalha, depois despeje o conteúdo na sanduicheira, preenchendo o desenho do sanduíche. Coloque um pouco de queijo sobre a massa líquida e feche a sanduicheira. Deixe assando por aproximadamente 5 min. Quando corar está pronto! *A máquina de waffle também funciona para essa receita.”

Fizemos quase isso… só faltou o queijo sobre a massa líquida, por motivos de comemos metade do pacote de queijo antes, não sobrou pra essa parte RSRS

Mas o resultado não foi exatamente o esperado. VEJÃO como ficou:

Pão de queijo na sanduicheira revisited

o passo 4 foi de um batch diferente, ok? a foto do batch correto deu pau

Pois é, vamos analisar a receita agora…

Primeira parte suspeita: 1 xícara de leite, 1 xícara de óleo de soja e 3 ovos. Esses são os líquidos. Ou seja: quase metade dos líquidos é puro óleo. Piriri/azia/gastrite garantido(s).

Segunda parte suspeita: Unte a sanduicheira. PRA QUE minha gente, se já foi tanto óleo na receita, e a sanduicheira supostamente é anti-aderente?

Terceira parte suspeita: Despeje o conteúdo na sanduicheira, preenchendo o desenho do sanduíche. – Essa parte foi super dúbia. Tem que preencher apenas o triangulinho interno

Preenchimento dos triângulos na sanduicheira

assim

Porque se preencher o triangulo externo inteiro vai vazar pra fora, o troço incha, e vaza coisa pra fora:

A Coisa

é nojento

Bom, eu consertaria a receita colocando meia xícara de óleo a menos, mais queijo (um pacote de 50g inteiro por receita)

E tem outro detalhe que a receita não conta: essa receita dá tipo uns 20 triangulinhos de pão de queijo OU MAIS! Divida a receita em múltiplos de três (não dá pra usar um ovo e meio afinal) se não for comer muito.

E prepare seu troninho se for sensível, é uma overdose de gordura.

Veredicto: não farei novamente. Mas boa sorte, boa noite lua e boa noite stars pra quem fizer.

bye bye 2013

Heeelloooooo galere, bem-vindos a 2014 e ao primeiro post de segunda do ano 🙂

Demorou mas chegou, o fim de 2013. Que ano mais longo hein? Quando eu achava que finalmente já estava terminando e que nada mais de ruim (ou bom, ou marcante, ou whatever) iria acontecer, eis que alguém arrebentou o espelho retrovisor do Migo, como vcs já viram nesse post:

Migo com espelho quebrado

pobre migo 😦

Mas como eu não tinha explicado a história, vamos lá: estacionei o carro na rua, no lado direito, pra entrar numa loja e comprar o presente de aniversário do filho de um amigo meu. Achei o presente depois de ter procurado em outras lojas, e saí feliz e contente e serelepe da loja pra chegar no Migo e descobrir que o espelho estava assim. Pela listra emborrachada que ficou na lateral do carro e pelo naipe do quebrado, me parece que foi um motoca que passou manobrando muito bem, ou sei lá… faço votos de que tenha caído e se estrebuchado, porque o desgraçado não deixou nem um telefoninho ou contato ou whatever pra eu poder cobrar dele a conta depois… Porque sim, eu sou vingativo às vezes rssssss

No fim das contas, como colar com chiclete não daria certo e eu ia viajar já no dia seguinte pro natal, eu decidi resolver o assunto à distância e comprar um retrovisor novo durante a viagem. O destino inicial foi Cascavel, onde mora a madlinha, e onde estava o mamai. Cheguei lá domingo e segunda-feira de manhã, a viagem com o mamai seguiria pra Terra Roxa, onde sempre passamos o natal. Então ligeirinho nos despencamos pelos robautos de Cascavel pra achar o retrovisor e deu certo, no primeiro já achamos um novo original por 160 dilmas. Então beleza, retrovisor novo guardadinho no carro do babai, vamos seguir viagem.

Babai trocou de carro e comprou um…

Cobalt

Cobalt…

…só que o dele é azul escuro metálico (como se esse carro conseguisse ficar mais feio). Mas como o motorista está dentro e não vê o design externo enquanto dirige, a visão interna é bonitinha, painel e etc, praticamente tudo digital, e aí ele me deixou dirigir! Yaaaaaaaaaay! Detalhe é que o carro é tão leve e firme que quando você percebe, tá a 130Km/h.

Enfim… chegamos em Terra Roxa, terrinha onde mora a Nona. Sem noção do calor que estava lá, eu cheguei a tomar três banhos gelados num dia. Por ser natal, casa da Nona, nada pra fazer, etc, etc, adivinha o que a gente fez? Cozinhou e comeu. Um monte. Eu não vou contar quantos quilos engordei, shame on me. E o natal foi marromeno sem graça, presentes do mamai e babai foram legais, da chuck tb, mas uma prima minha embalou um rollon da avon e me deu.

WHAAAAAT?

WHAAAAAT?

Tosco né… saí de lá nem sei que dia, peguei um bus de volta pra Cascavel, que é onde tem aeroporto, e no caminho, mamai me liga dizendo “você esqueceu seu retrovisor aqui” – esse sou eu. Mamai teve que ir pra lá também no dia seguinte então, pra felicidade do resto da família que queria ver-la, e finally eu peguei o meu voo pra Curitiba, pra finalmente poder consertar o espelho.

(ah, sim, feliz natal atrasado pra vocês)

Diquete pros azarados que quebraram o espelho: não pague pra alguém trocar. É muito fácil, tem vídeos que ensinam a fazer isso no youtube e tudo, tipo esse:

Meio que todos os retrovisores se trocam desse mesmo jeito, então lá fui eu… desparafusa, blablabla, you know, stuff, whatever

Montando retrovisor

monta aqui, etc

Pronto, finished 🙂 ficou bom. Já pude ir de carro até o aeroporto, deixar no estacionamento VOE, que é o mais barato, 11 pilas a diária, e é super confiável, indicadíssimo 🙂

E voar pra Porto Alegre, e depois pegar um ônibus até Rio Grande, onde mora o love ❤

Nem vou falar de Porto Alegre que é pra não perder amizade, mas todo mundo sabe que eu detesto aquilo lá né… anyway, nessa viagem reparei como eles falam outro idioma… plataforma de ônibus na rodoviária se chama “box”, lanchonete se chama “lancheria”, sanduíche feito na sanduicheira se chama “torrada”, e a sanduicheira se chama “torradeira” (lógico), e as pessoas “olham” filmes, não assistem.

Depois de algumas horas de viagem de ônibus, cheguei em Rio Grande – RS, onde fica a Praia do Cassino (e onde fica o love também rsss), que by definition, é a maior praia do mundo (sabe que gaúcho gosta dessas coisas né)

Praia do Cassino

~ui

E lá nós passamos o Reveillon na praia, bem lindos e românticos, bebendo espumante meio quente direto da garrafa por falta de taças, e sem pular as ondinhas pq é muito brega.

E sem churros também 😦

Eu, que adoro churros, estava morrendo de dor na perna esquerda, e mesmo assim, nós caminhamos o equivalente a três postos de salva vidas, ida e volta, procurando churros no dia 31, e nada. Muita depressão.

E como eu não sabia se ia ou não trabalhar dia 2, minha volta pra Curitiba era dia dois de manhã no aeroporto, portanto tive que pegar bus em Rio Grande às 22h30 e descer antes das quatro da manhã no Salgado Filho. E aí se iniciaram as cinco loooooongas horas de espera no aeroporto, e blablabla. Mas no fim deu tudo certo, e FIIIIIIIIINAAAAAAAAAALLYYYYYYYYYYYYY 2013 acabou.

Porque vamos combinar, acho que 2013 foi o ano mais longo da vida de todo mundo.

Mesmo que eu tenha conseguido cumprir as duas resoluções de ano novo, de terminar de escrever meu livro, e ler um livro por mês no mínimo. E tenha também conseguido coisas ótimas como viajar pra Argentina, trocar de carro e arrumar um namorado, comprar o Hyrule Historia, comprar um 3DS, ver o Brasil permitir casamento gay, conseguir visto americano, ir no show do Aerosmith, ressucitar o Super Nes e o Nintendo 64, e tocar a música mais foda da minha vida. Tipo, MEEEEEEEEU quanta coisa.

Apesar de tudo isso, foi em 2013 também que eu fui assaltado, que fui agredido, que quebrei o braço, que tive diversas crises de labirintite, quebrei a tela do celular, raspei o carro no poste, e depois alguém arrancou meu retrovisor.

MEEEEEEEEEEU QUANTA COISA!

Pois é.

Por isso que eu desejo pra todo mundo um 2014 mais morno, com menos coisas boas e ruins acontecendo, e com mais calma num geral. Porque eu não vou aguentar um 2013 – o retorno, pufavô né Chessus.

Feliz 2014 pra todo mundo, espero que seja maravilhoso.

Beijos e boa noite lua boa noite stars!

PS: Resoluções para 2014 em breve, não parei pra pensar nisso ainda.

o maravilhoso mundo do udon

OE GALERE!

Hoje é dia de resgatar um assunto que eu adoro, e vocês eu espero que adorem também, mas se não adorarem, azar.

O assunto é:

Comida

COMIDA!

Mas não qualquer comida… uma comida exótica, mirabolante e misteriosa encontrada pela primeira vez nos confins de um mercadinho apertado e confuso na Liberdade, em São Paulo, no mesmo dia da história do visto americano.

Uma comida chamada Udon.

Udon

que cachorro feio (referência para esta piada aqui)

Vamos combinr que por essa fotinho o troço é bem feio né, parece uma minhoca gigante… quase no naipe da sopa de sanguessuga, mas como daquela vez, a coisa é feia mas é boa.

Udon é o nome do macarrão, assim como “miojo” não se chama “miojo”, se chama “Lámen” ou “Rámen” em japonês, porque eles não sabem falar o L. Mas a coisa que eu comprei lá nos confins do mercadinho era tipo o nosso ~miojo de cada dia, que vem com temperinho e blablabla, digamos que é pra ser similar ao cup noodles. Só que mais fofo

Udon

oooooownnnn

Esse Udon era sabor ursinho fofinho sorrindo, mas eu descobri que tem outros (já chego nessa parte).

Bom, fofura à parte, será que é bom? Oficialmente era sabor camarão (o cunhadjeenho estava comigo e me disse que era camarão antes de eu comprar), mas diversas pessoas me falaram DANGER CUIDADO ÇOCORR É APIMENTADO! Vai saber né… só comendo pra saber…

E pra comer, só preparando…

Abri o pacotinho, tinha várias peças dentro;

Udon aberto

peça auxílio a um adulto para abrir

Vixxxx, e agora? Como que faz essa birosca? Tinha instruções em japonês do lado, mas eu obviamente não entendi nada, e o desenho não ajudava nada, então, bem, vamos usar a tecnologia a nosso favor.

Procurei no Youtube… nada útil.

Resolvi testar a tal Pesquisa por Imagem do Google, que promete ser mágica, e não é que a dita cuja funciona? Achou um moooonte de páginas que tinham a foto desse udon sabor ursinho fofo, inclusive foi aí que eu descobri que existe também outro sabor:

Udon's

sabor ursinho fofinho assustado (à esquerda, lógico)

Pelo desenho, eu chutaria que é sabor rolinho primavera, mas não deve ser né? Exótico demais.

Anyway, a pesquisa por imagens só encontrou páginas japonesas 😦 E eu não entendi nada. Resolvi voltar ao básico e procurar por “udon” no Google, até que VEJÃO o que eu achei!

Udon alternativo

udon paralelo, com instruções em inglês!

Aí sim, segui as instruções, conforme o que tava escrito, e fiquei me perguntando também POR QUE tem que escorrer o macarrão e depois colocar água de novo… mas tudo bem.

Olha só como ficou 🙂

Resultado do Udon

já comi coisas mais bonitas RSSSSSSSSSSSSS

E antes de sentar no sofá ver meus seriadinhos decadentes, eu decidi jogar fora a embalagem, e EIS QUE no verso do ursinho fofinho sorrindo eu encontro…

Instruções para udon

as instruções originais

Troféu joinha pra mim por ter tido a capacidade de não enxergar as instruçõesa no verso. Sério, que burro.

Essas aí, mesmo em japonês, daria pra adivinhar pelo desenho.

Mas enfim… o Udon ficou bom, e esse foi o post bobinho sobre comida de hoje 🙂

Ursinho fofo again

Arigato! Boa noite lua boa noite stars!

são paulo

ATENÇÃO: este é provavelmente o post mais longo da história do blogs… só pra vocês saberem. Peguem um pacote de doritos ou outro snack, porque já vai ser amanhã quando vc terminar de ler (não sei resumir histórias direito, sorry)

Agora que estão todos avisados, vamos lá… essa longa história começa na quinta-feira, com uma ida a São Paulo por motivos de entrevista do visto americano. A dona Bia, esposa do @morimotoson, queria porque queria sair de Curitiba às seis e meia da manhã, e eu só pensei comigo “meu, que disperdício, vamos chegar lá meio-dia e meu agendamento no CASV* é só 16h45″… no fim ela foi convencida a sair 7h30 da manhã, o que ainda eu achei disperdício, mas tudo bem.

E enfim, 7h30 eles me buscaram em casa, e levaram a fofa da Letícia junto, e começou assim a nossa roooooooooooad triiiiiiiiip!

Eu pensei nessa música mas esqueci de baixar pra levar 😦

Anyway, quando faltavam sei lá, uns 130Km, começa a desgraça… chegando num pedágio, primeiro indício suspeito: filas no “Sem Parar”

Fila do Sem Parar

sem parar

Nós passamos do pedágio e andamos o espaço de um carro e paramos. Fuééééén, tudo parado. A moça do pedágio inclusive nos informou que a fila era por causa de um acidente que era marromeno dali a 20Km.

OBAAAAAA!

Quase duas horas de anda e pára depois, nós já estávamos praticamente desistindo, chegamos a mandar email para um colega do @morimotoson pra saber o que acontecia caso nós perdessemos o horário no CASV*, mas no fim ficamos sem internet na serra, por motivos óbvios.

Até que uma hora lá, a coisa andou, passamos pelo acidente e a coisa andou um pouco melhor, mas não muito, visto que subida de serra com um bilhão de caminhões se ultrapassando, além de perigoso, é demorado.

Quando estávamos chegando perto de SP, bem, vamos precisar de um GPS. Mais #fails: o iPad dele não funcionou, o iPhone dele tinha sido estragado na véspera por braço-curtisse dele mesmo, o GPS do carro sei lá pq não funcionava, no fim sobrou meu Waze e a Tim.

Bendita Tim, viu? Fez a gente calar a boca, o Waze colocou a gente lá dentro do coração de SP, no meio das filas, mas calculou o tempo que a gente ia chegar, e chegamos naquele mesmo tempo… ou quase isso… num dos desvios que ele fez, o tempo de chegada ia aumentando minuto a minuto, fazendo a gente ficar tenso a cada esquina.

De qualquer forma, chegamos QUATRO minutos antes do meu horário lá no CASV (*que significa Centro de Atendimento ao Solicitando de Visto)… pra pegar fiiiiiila, e quando chegar a vez, tirar uma foto, fazer biometria e só. AAAAAAARGHHHHHHHH porque não fazem um dia só? Que raiva, tanto transtorno, tanta incomodação pra chegar lá e ser atendido durante menos de um minuto.

Marina

depressão

Dali fomos pro hotel… mais trânsito, mais Waze, etc, check-in, blablabla, vamos no shopping que fica na frente pra jantar? Vamos! Desce do elevador… CHUÁÁÁÁÁÁ chuva.

Chuva em SP

terra da garoa

Fazer o que né… esperamos baixar um pouco e fomos lá, e foi um povo sem educação esbarrando sem pedir desculpa, que olha… curitibano não fala nada, mas ao menos não esbarra pra não ter que pedir desculpas.

Lógico que tirar visto não é só biometria e foto, tem entrevista no dia seguinte, pra fazer a gente gastar com hotel também. A entrevista é no consulado, que é em outro lugar (pra que dois dias E DOIS LUGARES? Pois é…)

Fomos à pé, e não pode levar celular nem eletrônicos, nem nada, só os documentos.

Fiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiila pra entrar no prédio (no CASV a gente achava que tinha fila, até chegar no consulado).

Fiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiila da segurança, pra passar no detector de metais.

Uma salinha de espera pra ser chamado pelo nome, e aí, finalmente, a dita cuja da entrevista…

A mocinha lá me perguntou tipo três coisas úteis só, pra onde vou nos US, com quem, e o que eu faço aqui… essa parte vale a transcrição:

– Eu sou analista de sistemas…

– …

– …

– O sistema travou.

Bem na frente do analista né hehehehe tivemos que rir, os dois.

NPH Joinha

que beleza

Solicitação aprovada, a entrevista durou tipo um minuto e meio também. Pois é. Ao menos ganhei elogio pelo inglês do meu formulário, a moça disse que era inglês avançado 🙂

Depois de todos aprovados, etc etc, hora de ir embora, etc… eu fiquei em SP por motivos de aniversário do cunhadjeenho, mas eles que voltaram levaram DOZE horas pra chegar em casa em Curitiba.

Agora eu pergunto: POR QUE? Custaria tanto assim eles terem um escritório pequeno em Curitiba pra gente não precisar ir até SP?

Pior road trip ever, e olhe que eu já viajei com a família numa Belina, e outra vez num Escort que eu tinha que ligar a ventoinha manualmente com dois fios quando tava esquentando o motor.

Mas ok, o visto está resolvido, já vou poder ir pra NYC 🙂

New York

promessas pro ano que vem (?)

(tomem um café agora, que chegamos ao fim da primeira ~história desse post, e a segunda é mais light)

Como eu fiquei em SP, o cunhadjeenho foi me buscar lá no Shopping Morumbi, que era na frente do hotel, e os planos eram dar uma voltinha pela Liberdade antes de buscar a Chuck no aeroporto de Campinas.

Vou dizer pra vcs que a Liberdade é um bairro bem interessante… muitas coisas inéditas pra ver num mercadinho, comprei uns biscoitos de alga marinha, uma coisa chamada Udon, que parece Cup Noodles, mas que eu não sei o gosto ainda porque eu não sei preparar (tóin!), e mais um moooooonte de coisa que eu nunca tinha visto na vida. Além disso, tinha um shoppingzinho cheio de coisas nerds, de coisas de animes, e com pessoas fazendo cosplay (e cospobre também) à luz do dia.

Até o sinaleiro para pedestres é diferente:

Semáforo de pedestres na Liberdade

essa foto não fui eu que tirei nem editei nem nada

Tinha até gente falando japonês na rua! Muito bom, adorei, em breve volto lá 🙂

Próxima aventura: ir até Campinas buscar a Chuck… mais fiiiilas, etc, mas chegamos vivos lá e tudo mais. Dali seguimos pra Indaiatuba, pro apartamento dele, e depois pra comer pizza até sair pela orelha, já que era aniversário do mocinho né 🙂

Engraçado foi que eu encontrei o lugar onde o vento faz a curva… é em Indaiatuba 🙂

Nuvens em curva

muito importante né zzzzzzzz

Mas claro que ficar lá não foram só flores. O apartamento dele é tipo uma república para os comandantes da Azul, que em geral são todos velhos e/ou gordos.

Que roncam.

Muito.

Demais.

Horrível!

Eu tive o grande azar de dormir num colchão no mesmo quarto que um dos outros comandantes, que chegou só de madrugada, e primeiro ligou a luz do quarto, e me acordou, e depois que eu dormi de novo, ele se deitou na cama dele só de cueca (VIX QUE HORROR) e começou com os sons de britadeira. Acordei 4h30 da manhã e até fui tomar uma fresca na sacada pra desbaratinar um pouco… no fim acabei dormindo de novo, e fui acordado antes das 6h pela Chuck, porque nós três viríamos pra Curitiba passar o resto do final de semana.

Todos prontos, etc, aeroporto de Campinas again, check-in, blablabla, e, como a gente era passageiro stand-by (ou seja, só embarca se tiver lugar vazio no voo), lá estávamos nós torcendo pelos no-show da galere.

E não deu certo, não conseguimos vaga no primeiro voo, nem no segundo, e aí, bem, o que fazer? Pegar as bagagens de volta e… opaaaaaa, a bagagem conseguiu embarcar pra Curitiba. Fuén fuén fuén fuén! Mandaram as malas de volta no voo seguinte, e elas chegaram em Campinas perto das 14h. Bem, fora isso, podíamos continuar esperando ou tentando pegar os próximos voos, mas todos estavam lotados, inclusive no domingo, e como eu tinha que estar aqui na segunda pra trabalhar, eu era obrigado a vir.

Solução: pegar um voo pra Joinville, e voltar de ônibus pra Curitiba (já que a segunda opção era voltar de ônibus de Campinas pra cá, e levar talvez as mesmas doze horas que o @morimotoson levou).

O voo era só no fim da tarde, então voltamos pra casa pra dormir. Chegando lá, mas que vergonha, só tinha A BRITADEIRA em casa dormindo, e quando finalmente todo mundo se instalou direito pra cochilar, lá estava eu no sofá da sala e a britadeira acorda e vem puxar assunto.

– Ah, desculpa, eu te acordei ontem né?

Macaco oi rs

– É.

Ontem e naquela hora também né, porrãn… mas enfim, ele puxou tanto assunto que eu não consegui dormir.

Enfim… pro voo que eu pretendia pegar pra Join, tinha 40 lugares, e só eu de stand-by, então deu super certo, embarquei e, como mamai e papai estavam em Join também, viemos todos juntos no carro deles pra Curitiba.

E foi legal, até jogamos Mario Kart 64 nós três 😀

Ufa! Que final de semana mais longo, né? Agora pega uma água que vamos pra terceira parte, porque assim como 2013, que já devia ter acabado mas ainda não acabou, essa história também não acabou.

Estava eu lá lindo e formoso colocando louças na pia, etc, peguei meu celular meio desajeitado e aí ueeeeeeeepaaaaaaa, saiu voando pela cozinha e aterrisou com a tela virada pra baixo no piso. Resultado: vidro da tela quebrou inteirinho.

😦

(eu quis tirar fotos mas não tinha como né)

O que fazer?

Bem, eu não quis dar uma de gênio e trocar sozinho, vai que eu estrago outra coisa no aparelho, né @morimotoson? Garantia não cobre danos por quedas, então, bem, assistência técnica.

Hoje de manhã fui “cedinho” na autorizada da motorola, que fica a algumas quadras de casa, e mandei trocarem a tela. 225 dilmas. Mas nem fiquei chateado, bens materiais a gente se vira, sempre dá pra dar um jeito né.

Diva

eu sou ryca, foda-se

Arrumaram na hora, esperei uns 40 minutos ali e recebi o telefone inteirinho novamente, nem parece que ele levou um tombo ontem.

Mentira, parece sim, o resto da carcaça ficou marcado também… mas no fim deu tudo certo e eu estou aqui postando.

Agora acabou o post.

E ESSE ANO DE 2013 QUE NÃO ACABA HEIN?

Já chega, pode parar de acontecer coisas, pqp…

musicão do schubert

OEEEEEE GALERE!

E depois de uma black friday #fail …

Black Flayder

muito bães, champz

(vamos combinar que as usual, foi bem sem sal a black flayder)

… eu tive um sábado EPIC WIN!

Sábado agora foi o dia da tradicional/anual apresentação de encerramento de ano da Amalfi & Voss! Aconteceu no Teatro Fernanda Montenegro, que aliás, é MUITO bonito não só para o público, como bem organizado nos bastidores também. Quem precisar alugar um dia e etc, é uma ótima opção (desconsiderando o preço que eu não faço ideia)

E dessa vez (como no meio do ano no Paiol), as profes escolheram uma música MUITO foda – uma peça de Schubert a 4 mãos.

Esse é o Schubert:

Schubert

com licença estou resfriada

A peça se chama Marcha Militar, e porraaaaaan, muito foda de tocar. Acho que foi a música mais difícil que eu já toquei na vida. E é linda ainda por cima 🙂

Pena que nós tivemos que cortar uns pedacinhos repetidos pra caber em três minutos, mas de qualquer forma, depois de estudar tipo meio ano pra apresentação, vejam só como ficou:

Demais né?

Então, vejam aí mil vezes, eu estou com preguiça de escrever mais, então aproveitem a música!

Beijos e boa noite lua, boa noite stars!

PS: Quinta não teremos post por motivos de vou viajar, ok?

o sr escritor e a sra dinheiro

OE GALERE

Que que ces acharam do OPINIÃOZINHA DE QUINTA? Ok, foi bem específico pra gamers, mas aguardem que o próximo vou mudar de assunto.

Anyway, vamos às notícias da semana:

Como todo mundo lembra, eu escrevi um livro, digitei, revisei, etc, preparei o courinho pra levar chicotada de editora, e no último dia 20 de novembro, quarta-feira, eu finalmente fiz a averbação na Biblioteca Nacional! Yaaaaaaaay!

Comprovante de Registro BN

tinha que escrever o nome completo 😦

É muito fácil, não é tão burocrático, se alguém quiser dicas, é só falar comigo que eu ajudo, sem fins lucrativos 🙂

Bom, agora que o texto está oficialmente averbado etc etc, vocês já podem dizer que conhecem uma pessoa que tem um livro registrado!

E já podem torcer também pra eu conseguir publicar logo. Eu mandei um email pra uma editora pequena daqui que não me respondeu. E no jantar de encerramento de ano do Cits, por mágica, sentei na mesma mesa que uma menina que trabalha numa outra editora, maiorzinha, e já peguei contato, já enviei sinopse, etc, JÁ GOSTARAM e no último email enviei o original! Torçam muito por mim!

Detalhe, galere, registrar um livro custa apenas…

Vintchy réais

vintchy réais

Pechincha mesmo, e depois dá pra alterar (até onde eu sei), por mais vintchy réais, então se você é autor, registre! Super vale a pena 🙂

Tipo, 20 reais é um almoço, ou menos que isso. E perto de outras coisas, é praticamente de graça… Exemplos: a consulta que eu fiz com a Sra Dinheiro, uma fonoaudióloga, que me cobrou DUZENTOS E OITENTA E CINCO dilmas pra conversar sobre minhas tonturas. Tá, ok, ela explicou muito bem as coisas, fez testes ao vivo, mas mesmo assim né… nem médica ela é… sei lá, fiquei ressabiado (quem quiser o nome dela me peça via inbox ou email, ou sei lá)

Claro que ela, do alto do salto alto dela, não atende pela unimed, e sai de férias 16/dez pra voltar em 27/jan. Quisera eu ter férias longas assim né…

Anyway, ela disse que vou precisar de dez sessões de fisioterapia reabilitação vestibular (do vestíbulo, que é uma parte, ou sei lá, do labirinto).

Tudo isso pela bagatela de 155 reais por sessão.

Sonha que eu vou fazer esse rehab então, doutora, sonha.

I won’t go, go, go

Detalhe que ela me passou uma dieta mirabolante também, excluindo coisas como açúcar, derivados de leite, mas deixando cafeína em pequenas quantidades, e leite também pode (?). E mais uma parte comportamental em que dizia para não dormir em excesso, e em negrito: proibido fazer esteira ou bicicletaergométrica. Mas sem explicar o motivo.

Então ok, Sra Dinheiro, desisto, não vou pagar 1550 nesse rehab, nem fazer essa dieta maluca, e vou só fazer os exercícios que ela disse para fazer em casa, de virar a cabeça assim, trololo, dez vezes pra cada lado, depois mais dez vezes, blablabla (não vou explicar, muito chato). E se me der crise, foda-se, durmo dois dias no sofá, se até agora não morri por isso, não morro mais.

(Ok, só porque não vou seguir a dieta dela não significa que vou ficar um gordo baleio saco de areio, ou que vou deixar de ir no endocrinologista, dado que o colesterol anda alto… só não vou mais dar dinheiro pra ela não, fico com as crises – e gasto o dinheiro com outra coisa).

Mas vamos pensar só nas coisas boas, vamos pensar que eu desenterrei o Super Nintendo e o Nintendo 64 esse final de semana…

Super Nes e N64

e AMBOS funcionam!!!!!

Fiquei pensando nos videogames depois do post sobre o Donkey Kong na quinta feira e resolvi ligar os dois no findi, foi muito diver! Só o detalhe é que algumas fitas do Super já foram pro saco 😦 inclusive a única original que eu tinha, que era o Super Mario World – que tristeza 😦

Fucei um pouco no ebay também por fitas usadas e achei Top Gear por menos de 5 obamas (!!!!!!!) e comprei né hahaha com mais 10 de frete, etc, um dia chega aqui, originalzinha e tudo S2… Mas as fitas piratas de Donkey Kong estão funcionando, e o Mario 64 (que é original, ganhei assim) também está, então fim do post por aqui que eu tenho mais o que fazer 😀

Tipo lavar a louça e estender roupa 😦

Beijos, boa noite lua boa noite stars!

tratado definitivo sobre o congestionamento e a infância

Demorou pra eu falar sobre congestionamento né? Vamos lá então, que é o assunto de hoje 🙂

Vamos pensar no seguinte: desde maio de 2013, quantos feriadões nós tivemos? Sei lá… um? Dois? Resposta: UM – esse final de semana agora, 15 de novembro. E claro que Curitiba INTEIRA resolveu ir pra praia, até pessoal de COLOMBO deve ter ido, boatos de que pessoal de lá já tem carro, sonzera e isopor…

Eu saí de Curitiba com a Chuck na quinta-feira às 23h30, porque supostamente o grande movimento seria às 18h e depois só na sexta-feira de manhã.

BÉÉÉÉÉ WROOOOONG

Filas BR 376

isso às 16h49

Se a fila estava na saída de São José às 16h49, seria humanamente impossível ter acabado até 23h30, certo? Pois é… pegamos fila na BR376, próximo ao primeiro pedágio. Dali pra frente, foi anda e para total, chegamos no segundo pedágio próximo às 3h da manhã, tudo por causa de uma obra LINDA que ainda está sendo executada em uma ponte no Km 6 (nem sei o Km, chutei) da BR 101, cujo prazo era novembro.

Ok, está “em dia”, mas eu DUVIDO que terminem até o fim de novembro, eles vão ter (pausa… 30 dias tem setembro, abril, junho e novembro… ok, são 12) 12 dias apenas pra reconstruir duas faixas de ponte, uma em cada sentido. As duas pontes estão em pista simples, e a segunda pista está só no ferro ainda… #VamosAcompanhar

Pois é… some uma pista simples a um feriadão e o resultado são 30Km de filas.

E falando em obras…

Obras em Curitiba

saída de Curitiba

Como eu sou uma pessoa muito didática eu fiz desenhinhos no google maps pra ficar mais fácil entender porque está uma merda ir até o aeroporto, ou pegar a BR376… Todos esses trechos ali estão em obras AO MESMO TEMPO, porque lógico que não dá pra executar uma obra dessas de cada vez. Aí a bonita aqui quer ir visitar a família em Joinville e não consegue sair da cidade (nem voltar) por motivos de tudo congestionado.

Na verdade, as obras são coisas boas, eu não posso criticar as obras em si, só a demora, superfaturamento e simultaneidade (ai como tô cheio das palavras hoje rssss), mas até aí estamos no Brasil né, que mais se poderia esperar? O que eu acho ruim é: TODO MUNDO tem carro agora, ATÉ EM COLOMBO! Carro está absurdamente barato, volta e meia tem IPI zero, e desde os anos 90, um carro ficou muito mais barato proporcionalmente ao salário mínimo… se duvidar, você passa na frente de uma concessionária com a sua carteira de motorista, e sai de lá de carro (e financiamento) novo sem abrir a boca pra falar. E infelizmente é isso que todo mundo quer, a montadora quer vender, e o brasileiro pobre médio SONHA em ter um carro zero.

PRA QUE minha gente? Por que não deixam só os ricos (euzinho rsss) terem carro?

Enfim.

E a volta do feriado como foi? Bem, eu saí de sábado pra domingo de Joinville, à 1h40 da manhã… então não tinha fila, né, e a estrada estava vazia, porque eu voltei um dia antes. Mas quem não pensou nisso, pegou os mesmos 30Km:

Volta pela BR 101

isso às 17h34

Pois é.

Reparem como a polícia rodoviária dos dois estados é meio analfabeta hahahaha (ok, pra ter mais exemplos, tem que seguir os dois perfis no twinto)

Mas enfim, lindos, já sabem que agora vai demorar séculos pra eu voltar pra Joinville né? Vou ter que arrumar um/a cabeleireiro/a aqui em Curitiba.

Falando em Joinville… Chuck e eu demos uma passada na rua onde ocorreu a infância: a rua Matinhos, em Joinville.

Rua Matinhos

lógico que é no street view essa fots, passamos lá de noite

Sério, essa rua não mudou NADA, nos últimos 25 anos. NADA.

Ok, mudou… um muro ali foi reformado, e a casa onde morávamos e a da vizinha foram demolidas e construíram duas casas bem bonitas no lugar. Mas foi só. O resto tá tudo igual, tudo parado no tempo. É engraçado ver como algumas coisas nunca mudam.

E aí bateu aqueeela saudade da infância.

Mentira, não bateu. Eu não tenho muita saudade da infância, primeiro porque nós éramos pobrinhos, mas pobrinhos de marré marré marré… ok, nem tanto, só um marré tá bom. Anyway, a vida era difícil, e a gente não se divertia tanto quanto hoje, como família. Não que a gente se divirta agora porque tem dinheiro, acho que é mais porque cada um já está estabelecido, e não temos aquele medinho do futuro, de que de repente vai mudar o governo e nós vamos tomar no cu e ter que morar embaixo da ponte.

E sinceramente, acho que é assim que todo mundo devia ser… o time of your life deveria ser hoje pra todo mundo, e não uma época mil anos atrás, que nunca vai voltar. Acho que se o time of your life não for o hoje, alguma coisa há de errado com a sua vida, tá faltando fazer alguma coisa.

Tem que ver isso, produção.

E ATENÇÃO!

Quinta-feira aguardem uma nova “coluna” aqui no blogs, vamos ter o POST DE SEGUNDA e outra coisa tb, até quinta!

Bom dia sol, bom dia flowers!