bom dia todas as colors

Muuuuito tempo atrás, estava eu ainda no café no escritório e um colegue de lá vem me contar que levou um susto quando viu um dos livros que a filha pequena dele tem.

O livro se chama “Bom dia todas as cores”, da Ruth Rocha:

Bom dia todas as cores

BOM DIA CAMALEÃO CORORIDO

Ele achou que eu tinha algo a ver com isso aí, porque no texto do livro, consta que: “Bom dia Sol, bom dia flores, bom dia todas as cores!” (ROCHA, 1976)

Mas não, eu não tenho nada a ver com isso, apesar das ~~~~coincidências~~~~ de no livro ter um camaleão que diz “BOM DIA SOL BOM DIA FLOWERS FLORES” e que tem cor de arco-íris. Além disso, a capa antiga, que é essa aqui:

Bom dia Todas as cores, capa antiga

BOM DIA CAMALEÃO ROSA

…contém um camaleão COR-DE-ROSA, de cujo dedo parte um pseudo-ARCO-ÍRIS também.

É muita bichisse.

O que é bom, porque ensina a criança desde cedo a respeitar a diversidade, porque né, nós todos estamos aí sendo diferentes e gauches no mundo.

Pra complementar, existe uma MÚSICA disso aí, mas que eu não tive paciência coragem pra ir procurar. A letra tá neste link, é só clicar.

(aí eu cliquei agora e descobri que a música está lá junto, mas não tive coragem de ouvir hahahaha)

Enfim, thanks ao colegue pela dica de post, levei meses mas postei 🙂

E ah, sim, dia 25 de março agora este blogs completou CINCO ANOS! (BEIJO, MÃE!)

Chupa, @vini_rafaeli que falou que duraria três meses. Bitch! 🙂

É o blog mais longo da minha vida. Claro que de lá pra cá, o blogs mudou muito, o que é bom, mas quem quiser ver a desgraça que foi o primeiro post, tá neste link, é só clicar. Era dos tempos de tiopês, apenas avisando.

Enfim, muito obrigads a tods que comparecem aqui, cheios de coragem e esperança de que vão ler algo legal, quebram a cara, e voltam again. Sem vocês… bem… não iria mudar muito, porque eu nunca ganhei um cents com o blogs. Favor depositarem suas contribuições já que agora eu sou um pobre desempregado tradutor.

E pra todas as católicas, tenham um ótimo sábado de…

Shangela - Hallello

HALLELOO!

(não sei o autor original desta piada, mas não fui eu, apenas avisando que não estou kibando)

Beijas, e bom dia sol, bom dia flowers, bom dia todas as colors!

game over and game on

OEEEEEEEE!

Eu falei que voltava em abril, não falei? Então tô aqui! 🙂

Da última vez que escrevi, anunciei que tinha largado os bets da informática e ficava na empresa até abril, certo?

PAM! ERROR!

Saí ontem, dia 31 de março. Não deu mais, mesmo, eu juro que tentei manter a sanidade mental e segurar as pontas com a informática, mas minha cabeça não aguentou mais. Na volta do carnaval cheguei com minha pica de 30 metros pro chefe e disse:

Barb Game Over

CHEGA!

Nem rolou muita negociação, definimos que meu último dia seria 31 de março, e fomos em frente.

E eu fiquei ali aguentando as pontas e tentando não entrar em depressão (mais do que já estava também) e sem forças pra correr atrás de traduções e tudo mais.

Sobrevivi aos últimos dias, seguindo meu countdown. Todo dia riscando um quadradinho…

Faltando 40 dias

Muito tempo atrás…

Faltando 3 dias

Quinta-feira passada à noite

FIM!

Hoje de manhã

Claro que assim pareço até mal-agradecido à empresa fazendo um countdown e tudo mais. Mas sério, devo ter tido uma depressão não-diagnosticada, porque depressão não é só ficar chorando pelos cantos, tem outras variações, tipo isso de não ter a menor energia.

Pensem que em geral nem sex eu queria. E sex é sex né, nem vamos debater a gravidade disso.

Ninguém aqui queria saber disso também, né, mas nada como constranger os leitores ❤ 😀

Mas enfim, agora acabou tudo, já estou demitidas, e já até estou rycas porque recebi a rescisão. Amanhã meu último compromisso oficial com a empresa é acordar cedo (aff) e ir lá no sindicato assinar sabe lá o que.

E depois sou “só” autônomo, tradutor.

Aliás, é uma sensação bem diferente, bem estranha. Porque desde sempre na vida eu tive um compromisso fixo, com horários definidos, de estudo ou trabalho. Escola, depois faculdade, e antes de terminar a faculdade já tinha emprego com horário também. Essa é a primeira vez que eu mesmo faço meu horário para trabalhar, e eu mesmo que procuro/consigo trabalho.

Minha mãe comparou com um “final de casamento”, porque quando acaba você não tem mais aquele compromisso e não tem nenhum compromisso logo em seguida. Bizarro, né?

Mas eu me adapto. Estou vendo isso como se fosse um jogo. Começa com uma quantidade X de recursos (no meu caso a minha reserva de dinheiro para sobreviver até a tradução estar me sustentando totalmente) e tem a missão de virar um tycoon da tradução.

Bom, game on…

Game on, bitch.

VEM

É isso aí galere. Agora que vou ter mais tempo (ou não)… hmmm… ok, não vou prometer nada 🙂

Vejo vocês em breve.

Beijas.

PS: Não consegui me mudar para o Centro. E agora não tenho mais comprovante de renda, então não consigo mais me mudar, e morreu também a ideia dos cachorros (por enquanto). Mas ainda tô vendendo o carro, alguém quer comprar?